Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.138,73
    -193,43 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Vida alienígena? James Webb detecta CO2 em exoplaneta

Dados do James Webb serão beneficiais para entender a formação histórica de WASP-39 b
Dados do James Webb serão beneficiais para entender a formação histórica de WASP-39 b
  • Gás carbônico é um dos biomarcadores de vida utilizados pelos cientistas;

  • Planeta, no entanto, não parece ser capaz de sustentar vida por ser um gigante gasoso;

  • Dados do James Webb ainda serão beneficiais para entender a formação histórica de WASP-39 b.

O telescópio espacial James Webb realizou um feito inédito no mundo da exploração espacial: a detecção de CO2 (dióxido de carbono) na atmosfera de um planeta fora do nosso sistema solar. A presença do gás pode indicar a presença de vida alienígena, sendo um dos biomarcadores procurados pelos astrônomos em busca de vida no espaço.

“Assim que os dados apareceram na minha tela, a característica gritante de dióxido de carbono me impressionou”, disse Zafar Rustamkulov, estudante de pós-graduação da Universidade Johns Hopkins que participou da pesquisa.

No passado, os telescópios Hubble e Spitzer já haviam detectado substância como vapor de água, sódio e potássio na atmosfera do WASP-39 b, planeta alvo das investigações.

No entanto, pelo que parece não foi desta vez que encontramos companheiros no espaço sideral. WASP-39 b é um gigante gasoso a 700 anos-luz de distância da Terra, ou seja, é de uma formação na qual os cientistas não esperam encontrar vida, ao contrário de planetas rochosos.

A descoberta, contudo, ainda tem bastante valor, ajudando os pesquisadores a compreenderem a formação do planeta. “Quando a gente mede essa característica do dióxido de carbono, podemos determinar o quanto de material gasoso e sólido foi usado para formar este planeta gigante de gás", disse Mike Line, da Arizona State University, que também participou da pesquisa.

Entusiastas e profissionais da astronomia esperam também que, no futuro, o Webb participe cada vez mais desse tipo de investigação, ajudando com informações sobre a formação dos planetas.

"Na próxima década, o James Webb fará essa medição para uma variedade de planetas, fornecendo informações sobre os detalhes de como os planetas se formam e a singularidade do nosso próprio sistema solar”, concluiu Line.