Mercado fechado

Victor Hugo é um dos personagens mais fracos que o 'BBB' já teve

Foto: Reprodução/Globo

Se você assiste ao ‘Big Brother Brasil 20’, provavelmente já se irritou com Victor Hugo. O brother é personagem principal da casa desde o último sábado (7) e isso não tem nenhuma conotação positiva. Pivô de duas brigas, ele foi indicado pelo líder Pyong e desde suas desinteligências -- como disse o Tiago Leifert -- com Gyselle e Manu Gavassi, ele vem revelando nos últimos dias o personagem fraco que montou para o reality.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus emails em um só lugar

E nos siga no Google News: Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

Victor Hugo foi o principal prejudicado pela formação do último quarto branco. Porque o jogo dele era frágil justamente por estar em cima do muro e não ser lá muito capaz de segurar qualquer reviravolta inesperada. Babu, em análise dentro do próprio jogo, decretou: quem fica no muro apanha dos dois lados.

A queda de Victor Hugo não começou nos embates com Gyselle e Manu. Neles, em maior ou menor grau, foi desmascarado de uma tática que adota desde o começo do jogo: uma espécie de futrica. Vai do lado de lá e fala isso. Do lado de cá, solta aquilo. O que ele não esperava é que o quarto branco rompesse justamente o muro no qual ele estava em cima. Felipe Prior se aproximou mais de Gyselle e, principalmente, de Manu. Um mais um é igual a dois e poucas horas depois de Gavassi apertar o botão, as duas tretas estavam armadas.

Leia também

A explosão de VH na festa não veio porque ele se irritou com uma mentira. Mas porque ele entendeu que sua estratégia havia acabado. Manu falou com Prior que falou com Gyselle e as duas o emboscaram. “O Brasil está vendo”, bradou. Parecia perdido. Ou totalmente certo de que, no paredão, dificilmente teria chance diante de um público que viu -- com destaque na edição do domingo -- um VH ciscando em vários terrenos.

O brother triunfou enquanto os embates envolveram antagonistas claros. Quando enfrentou Lucas, Victor não ganhou, deixou de perder dado o vilanismo assumido pelo brother que se recusou a dividir estalecas e queria bater recorde de rejeição. Agora, chegou a bater os 80% de rejeição em enquetes na internet nesta segunda-feira (9). Pegou de cara dois protagonistas da edição. Se Manu já tem uma base de fãs, agora crescente, Babu se consolidou como um dos mais carismáticos da casa apesar da luta interna de um determinado grupo em colocá-lo como antagonista. Mas até gol do Gabigol ele virou, que dirá movimentar votos a seu favor.

No BBB, ficar em cima do muro é um plano arriscado e com prazo de validade. Por falta de leitura de jogo, talvez não tenha percebido o momento exato de tomar lado dentro da casa. Talvez, como brada pelos cantos, seja mesmo rejeitado hoje. Mais uma consequência de um jogo sabonete, que chovia e não molhava.

Em um fim melancólico, passou algum tempo na noite da segunda falando com o nada sobre sua estratégia para persuadir Pyong a ir de roupa trocada com ele para o ao vivo. A última cartada desesperada de alguém que tentou passar a imagem de isolado pela casa e passou de maluco. Pyong negou a troca. Afinal, o hipnólogo lê bem o jogo, tal qual Prior ao montar o quarto. Não a toa, indicou VH. Não a toa, não aceita uma aproximação. Todo mundo, e o próprio Victor Hugo, sabem qual será o destino do brother que foi o embaixador do muro nesta edição. Um personagem fraco.