Mercado abrirá em 4 h 37 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,13
    +0,22 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.803,00
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    18.936,64
    -131,85 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    376,30
    +6,55 (+1,77%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.641,66
    +53,46 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.112,50
    +36,50 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4022
    +0,0053 (+0,08%)
     

Vice na chapa de Filipe Sabará anuncia que desistiu de concorrer na eleição de São Paulo

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A candidata a vice-prefeita na chapa com Filipe Sabará (NOVO), Marina Helena, anunciou na noite do sábado (24) que desistiu de concorrer na eleição de São Paulo.

A decisão da renúncia ocorre após Sabará ter sido expulso do partido.

“Me dediquei de corpo e alma nos últimos oito meses a estudar São Paulo e encontrar soluções pra cidade. Infelizmente, dados os últimos acontecimentos, eu não vejo ser possível implementar essa agenda e renuncio à minha candidatura”, afirmou Marina Helena.

Leia também

Sabará foi expulso da sigla por decisão unânime, conforme informou o partido aos seus filiados na semana passada. Ele pode recorrer da decisão, mas o Novo já considera que ele não pertence mais ao quadro de filiados do partido.

Em nota, Sabará afirma que João Amoêdo, fundador do partido, comporta-se como se fosse "dono" dele e o persegue por elogiar o presidente Jair Bolsonaro.

A comissão investigava supostas inconsistências no currículo de Sabará, que estava suspenso do Novo desde 23 de setembro, quando o partido determinou que sua campanha para prefeito de São Paulo fosse suspensa durante as investigações.

Em 1º de outubro, ele conseguiu liminar no Tribunal Superior Eleitoral e, com isso, manteve as atividades de campanha.

A comissão de ética analisava um dossiê sobre Sabará enviado por um militante do partido em Santa Catarina e também uma denúncia protocolada pelo deputado estadual Daniel José, líder da bancada do Novo na Assembleia Legislativa de São Paulo, ambas sobre a formação acadêmica do candidato.