Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.717,74
    +3.209,54 (+6,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Vice-diretor da Opas estima que Israel será 1º país a obter imunidade contra covid-19

·2 minuto de leitura
Uma profissional de saúde do Maccabi Healthcare Services aplica uma dose da vacina Pfizer/BioNtech a uma mulher dentro de uma van na cidade israelense de Tel Aviv, em 16 de fevereiro de 2021

O vice-diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Jarbas Barbosa, estimou nesta quinta-feira (18) que Israel será o primeiro país do mundo a obter imunidade coletiva contra a covid-19.

Em conversa com usuários das redes sociais, o especialista destacou que a proteção coletiva oferecida pelas vacinas, também chamada de imunidade de rebanho, é alcançada quando se atinge um percentual da população vacinada capaz de proteger até mesmo os que não foram vacinados, número que varia conforme a doença.

“Para a covid acredita-se que vamos ter que atingir pelo menos 70% da população vacinada para pensar em controlar a transmissão. Outros modelos falam de até 90%”, disse Barbosa.

“Vamos ter que ver o que acontece na vida real. Acho que Israel será o primeiro país a atingir 70% e vamos observar o que acontece em Israel”, acrescentou.

Desde dezembro, Israel já vacinou quatro de seus nove milhões de habitantes, ou seja, 45% da população, a maior taxa de vacinação do mundo.

Na campanha de imunização per capita considerada a mais rápida do mundo, 2,6 milhões de pessoas já receberam inclusive a segunda dose, segundo dados oficiais. O país pretende vacinar todos com mais de 16 anos até o final de março.

Até agora, Israel usou apenas a vacina Pfizer/BioNTech, embora tenha um pequeno estoque do imunizante desenvolvido pela empresa americana de biotecnologia Moderna.

Israel garantiu um bom fornecimento de vacinas da Pfizer depois de chegar a um acordo de compartilhamento de dados com o fabricante dos Estados Unidos.

O acordo estipula que Israel, que possui um dos sistemas de dados médicos mais sofisticados do mundo, compartilhará informações em tempo real com a Pfizer sobre o impacto da vacina, incluindo os avanços em relação à imunidade coletiva.

bur-ad/rsr/ic/mvv