Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.922,89
    -1.058,64 (-1,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.925,61
    -580,09 (-1,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,29
    -0,35 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.984,90
    +2,10 (+0,11%)
     
  • Bitcoin USD

    27.889,35
    +87,83 (+0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    604,47
    +4,80 (+0,80%)
     
  • S&P500

    3.951,57
    +34,93 (+0,89%)
     
  • DOW JONES

    32.244,58
    +382,60 (+1,20%)
     
  • FTSE

    7.403,85
    +68,45 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    19.000,71
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.945,67
    -388,12 (-1,42%)
     
  • NASDAQ

    12.689,00
    +0,50 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6215
    -0,0009 (-0,02%)
     

Vice do Banco do Japão diz que órgão tem ferramentas para encerrar taxas ultra-baixas

Homem caminha em frente à sede do Banco do Japão em Tóquio

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O vice-presidente do Banco do Japão, Masayoshi Amamiya, disse nesta segunda-feira que a autoridade monetária tem ferramentas operacionais suficientes para conseguir uma saída suave da política monetária ultra-frouxa.

Embora a operação de mercado do Banco do Japão para defender seu limite de rendimento esteja enfrentando uma fase "difícil", foi apropriado manter a política ultra-frouxa por enquanto para garantir que o Japão atinja de forma sustentável sua meta de inflação de 2%, disse Amamiya.

O Banco do Japão tem várias ferramentas que pode usar quando chegar a hora de acabar com as taxas de juros ultra-baixas, disse ele ao Parlamento, deixando de lado a visão defendida por alguns agentes do mercado de que a saída da prolongada flexibilização monetária poderia desestabilizar os mercados.

Em vez de vender títulos do governo diretamente no mercado, o Banco do Japão pode renunciar à rolagem de títulos que atingem o vencimento para reduzir seu enorme balanço, disse ele.

"O difícil desafio para o Banco do Japão é determinar se as condições de saída caíram e como comunicar (sua intenção política) ao mercado", disse Amamiya, cujo mandato como vice-presidente termina em março.

(Reportagem de Leika Kihara)