Mercado abrirá em 5 h 15 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,83
    +0,55 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.835,70
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    57.092,13
    +1.568,68 (+2,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.547,77
    +1.305,09 (+537,78%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.986,92
    +38,93 (+0,56%)
     
  • HANG SENG

    28.161,18
    +147,37 (+0,53%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.300,00
    -46,00 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3379
    -0,0075 (-0,12%)
     

Via Varejo vê créditos fiscais como reforço de caixa nos próximos anos

·3 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - A Via Varejo tem 4 bilhões a 5 bilhões de reais em créditos fiscais acumulados "que vão virar caixa" nos próximos três a cinco anos e não tem necessidade de recorrer ao mercado de capitais no momento para bancar planos de expansão, disse o vice-presidente financeiro da companhia nesta segunda-feira.

"Achamos suficiente a estrutura de capital hoje da companhia para fazer frente a esse crescimento...Muito analista não considera, mas temos um ativo muito grande de créditos fiscais e estamos conseguindo com bastante sucesso monetizar esses créditos", afirmou Orivaldo Padilha durante apresentação da Via Varejo a investidores.

"Temos cerca de 4 bilhões a 5 bilhões (de reais) no nosso balanço e isso ao longo dos próximos três a cinco anos vira caixa", acrescentou o executivo.

Porém, ele afirmou que se a Via Varejo encontrar alguma oportunidade "relevante" de aquisição, a companhia "talvez tenha que recorrer ao mercado de capitais".

As ações da companhia fecharam em queda de 2,06%, enquanto o Ibovespa subiu 0,05%.

O presidente-executivo da Via Varejo, Roberto Fulcherberguer, afirmou no evento que a empresa está "obviamente olhando para tudo" em se tratando de eventuais oportunidades de aquisições que potencializem a venda própria do grupo.

"Estamos olhando, várias (oportunidades de aquisições)...Mas estamos muito seletivos em todo processo de M&A que estamos fazendo", disse Fulcherberguer.

A companhia divulgou mais cedo que pretende ter participação de mercado de pelo menos 20% no comércio eletrônico no Brasil até 2025, previsto para atingir cerca de 500 bilhões de reais.

Fulcherberguer, porém, afirmou que as estimativas divulgadas mais cedo ao mercado "não são guidance", embora a estratégia empresa nos últimos meses esteja na ampliação de seu martkplace, que enfrenta rivais de peso como Mercado Livre, B2W e Magazine Luiza.

Segundo Fulcherberguer, a Via Varejo se prepara para a partir do terceiro trimestre permitir que os vendedores que tenham produtos em marketplaces rivais possam usar a infraestrura logística da companhia, dona das redes Casas Bahia e Ponto, para entrega dos itens aos clientes.

"Nós conseguimos fazer logística no Brasil inteiro...O vendedor não quer ter estoques em vários centros de distribuição diferentes porque isso significa capital de giro e com isso vamos dar oportunidade de sermos o hub logístico dele", disse o presidente da Via Varejo.

Ele comentou que em março, o marketplace da Via Varejo adicionou cerca de 10 mil vendedores e que o nível de recorrência dos consumidores na plataforma começa a ser mais perceptível.

A expectativa é que se o ritmo de adesão de vendedores e de ofertas de produtos for mantido, a penetração do marketplace nos negócios da Via Varejo fique mais relevante dentro de um trimestre. Na estimativa divulgada mais cedo, a companhia estimou que dois terços de suas vendas em 2025 serão oriundos de canais digitais.

No evento não houve menção a notícias recentes envolvendo o fundador da Casas Bahia em denúncias de exploração sexual.

Em seus comentários no evento, Fulcherberguer lembrou o processo de reestruturaçao do grupo iniciado em sua gestão a partir de 2019, afirmando que a "Via Varejo carrega um passado que a gente não quer carregar, a Via representa o novo. Novos caminhos."

Em comunicado, a Via Varejo afirmou que é atualmente uma corporação independente, sem bloco controlador, e que não comenta "casos que possam ter ocorrido em período anterior ao da atual gestão da empresa". A empresa acrescentou que "repudia veementemente todo e qualquer tipo de assédio, práticas ilegais e atos discriminatórios em nossas dependências ou fora delas".

(Por Alberto Alerigi Jr.; edição de Aluísio Alves)