Mercado fechará em 3 h 17 min
  • BOVESPA

    108.996,66
    +1.617,73 (+1,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.622,48
    +355,28 (+0,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,81
    +1,75 (+4,06%)
     
  • OURO

    1.800,30
    -37,50 (-2,04%)
     
  • BTC-USD

    19.263,35
    +811,38 (+4,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,15
    +10,40 (+2,81%)
     
  • S&P500

    3.617,32
    +39,73 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    29.968,24
    +376,97 (+1,27%)
     
  • FTSE

    6.421,51
    +87,67 (+1,38%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.925,25
    +20,00 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3978
    -0,0425 (-0,66%)
     

Via Varejo está perto de entregas no mesmo dia e de financiar vendedores de marketplace

·2 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - A Via Varejo está a alguns meses de distância de conseguir viabilizar entregas de produtos comprados online no mesmo dia da compra e deve ter capacidade para começar a financiar vendedores de seu marketplace no começo do próximo ano, disseram executivos da companhia nesta quinta-feira.

A dona das bandeiras Casas Bahia e Ponto Frio divulgou na noite da véspera lucro líquido de 590 milhões de reais para o terceiro trimestre, ante prejuízo sofrido um ano antes, e alta de 218,7% nas vendas de comércio eletrônico.

"Boa parte da nossa energia até agora estava em fazer o básico, colocar ordem na casa, e agora temos tempo para pensar muito além do varejo", disse o presidente da Via Varejo, Roberto Fulcherberguer, em conferência online com analistas.

"Estamos a poucos meses para destravamos...vamos começar a discutir 'same day delivery', seguramente mais para o final do primeiro semestre". O que está faltando, disse Fulcherberguer, "são algumas camadas de tecnologia".

A Via Varejo saiu do controle do GPA em meados do ano passado, passando a ser controlada pela família Klein, fundadora da Casas Bahia. Desde então, o grupo passou por uma reestruturação focada em reduzir a distância de concorrentes como Magazine Luiza e B2W no quesito de omnicanalidade de vendas, em que consumidores podem fazer compras online e optar por retirá-las em lojas, por exemplo.

Com isso, nos últimos meses a empresa vem trabalhando para ampliar a facilidade com que vendedores terceiros podem se integrar ao seu marketplace, iniciativa que foi atrasada pela pandemia. Segundo o executivo, a Via Varejo passou a integrar por mês de 800 a mil vendedores a sua plataforma, ante 100 alguns meses atrás.

Enquanto isso, o banco digital da empresa, Banqi, deverá ter estrutura até março de 2021 para oferecer financiamento para vendedores do marketplace. "No primeiro trimestre, vamos ter isso bem encaminhado. Poderemos finalizar os clientes deles e os próprios sellers", disse o presidente da Via Varejo.

Fulcherberguer afirmou que a empresa está estudando plano de "racionalização" de sua malha de lojas físicas no país, que envolve sobreposição de cerca de 100 pontos de venda e que podem vir a ser fechados para ampliar a rentabilidade das lojas que seguirem em operação. A empresa tem mais de mil lojas físicas.

O executivo deu a entender que as vendas de outubro e novembro estão mantendo força apesar da redução do valor do auxílio emergencial oferecido pelo governo federal. "Estamos felizes com o que está acontecendo no quarto trimestre. Estamos bastante otimistas", disse, sem dar mais detalhes.

Segundo Fulcherberguer, a Via Varejo não sentiu até o momento impacto da redução do auxílio sobre as vendas. "Seguimos vendendo bem", afirmou.

(Por Alberto Alerigi Jr.)