Mercado fechado

Via Dutra poderá ter tarifa exclusiva para pista expressa no trecho SP-Guarulhos

ARTHUR CAGLIARI
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 23.04.2014 -Trânsito intenso n Via Dutra. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O projeto da nova concessão da Via Dutra, rodovia que liga São Paulo ao Rio de Janeiro, tem em seu desenho a criação de uma tarifa exclusiva a usuários que utilizarem a pista mais rápida no trecho entre São Paulo e Guarulhos, disse o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, nesta quinta-feira (13), em evento na Fiesp (entidade que representa as indústrias do estado de São Paulo).

O chamado free flow (pedágio com cobrança automática e sem cancela) seria adotado no trecho entre as cidades paulistas, com uma cobrança de R$ 0,15 por km rodado para quem utilizar a via mais rápida.

Com o projeto, que prevê a construção de mais uma faixa expressa e de vias marginais, o tempo do trajeto entre São Paulo e Guarulhos na pista rápida deve cair dos atuais 37 minutos para 14 minutos, enquanto a pista normal será percorrida em 22 minutos.

"Vamos investir muito em marginal para reduzir o tempo de viagem. Se quiser entrar na via expressa, vai pagar por quilômetro rodado. Vai ser a primeira experiência de free flow que vamos fazer no Brasil. Isso traz justiça tarifária. O cara vai pagar quanto? R$ 0,15 por km? Se são 12 km no percurso, serão pagos R$ 1,90 para reduzir [em] 8 minutos o tempo de viagem", disse o ministro em encontro com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e empresários e políticos do Vale do Paraíba e de Guarulhos.

O ministro afirmou ainda que diminuir muito a tarifa da rodovia significa também reduzir o total de investimentos. Mesmo assim, ele disse que a nova licitação permitirá redução de pelo menos 20% de tarifa de pedágio. 

A atual concessão da Dutra vence em fevereiro de 2021, quando acaba o contrato de 25 anos com a CCR.

O novo acordo prevê R$ 17 bilhões em investimentos e R$ 15,4 bilhões em custos operacionais, em um período de 30 anos de administração. No projeto de concessão, o governo não fixou um valor mínimo de outorga (licença paga anualmente ao governo pelo uso e exploração da via). 

Segundo dados do novo plano de cessão da rodovia, seu fluxo médio é de aproximadamente 42 mil veículos diários.