Mercado fechará em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,73
    -0,15 (-0,20%)
     
  • OURO

    1.929,90
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    23.541,49
    -250,67 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,63
    -7,69 (-1,41%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.841,71
    +21,55 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.694,25
    -152,50 (-1,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5447
    +0,0550 (+1,00%)
     

Via diz que sua operação com fornecedores e bancos segue normas contábeis

SÃO PAULO (Reuters) - A Via disse nesta quinta-feira que suas operações de "risco sacado" estão registradas nas demonstrações financeiras em conformidade com as normas internacionais de contabilidade, após a rival Americanas revelar inconsistências contábeis de cerca de 20 bilhões de reais.

A Via afirmou em comunicado que essas operações são detalhadas na linha "fornecedores convênio", e que busca dar esclarecimentos aos investidores "acerca de eventos recentes ocorridos no setor".

As ações da Via ficaram entre as maiores quedas do Ibovespa nesta quinta-feira, com baixa de 5,38%, enquanto os papéis da Americanas desabaram 77,33%.

O risco sacado ocorre quando uma empresa contrata uma instituição financeira para realizar a antecipação de recebíveis a fornecedor. Desse modo, a companhia passa a dever aos bancos e não mais ao fornecedor.

A Americanas revelou na véspera que seus balanços têm "inconsistências contábeis" de 20 bilhões de reais relativas a essas transações. O ex-presidente da Americanas Sergio Rial, que assumiu em 2 de janeiro, renunciou ao cargo na véspera junto com a divulgação do caso.

(Por André Romani)