Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.141,47
    +373,41 (+2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Veto às desonerações está mantido na pauta do Congresso de quarta-feira, diz Randolfe

Por Maria Carolina Marcello
·1 minuto de leitura
.
.

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O líder da Rede no Senado, Randolfe Rodrigues (AP), afirmou nesta terça-feira que o veto à prorrogação da folha de pagamento de 17 setores está na pauta da sessão do Congresso Nacional convocada para a quarta-feira.

Polêmico, o veto já teve sua votação adiada algumas vezes, justamente pelo apelo popular. Uma vez mantido, encerrará os incentivos tributários a empresas a partir do ano que vem. Os que defendem a derrubada do veto alertam que o fim da isenção poderá resultar na demissão de milhares de trabalhadores.

"Temos maioria necessária para derrubar o veto... sobre desoneração. Isso salvará empresas e, principalmente, milhares de empregos no Brasil", disse o senador, que participou de reunião de líderes da Casa.

A manutenção do veto às desonerações é considerada impopular pelos parlamentares, no clima das eleições municipais de novembro. Argumentam que uma retirada dos incentivos já a partir do próximo ano pode implicar no aumento do desemprego.

Mas sua derrubada, e a consequente prorrogação até o fim de 2021, teria impacto nas contas públicas. Caso o veto seja rejeitado, será mantida a substituição, pelos empregadores, do pagamento da contribuição previdenciária de 20% sobre os salários por uma alíquota de 1% a 4,5% da receita bruta, beneficiando especialmente setores intensivos em mão de obra.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)