Mercado fechará em 2 h 25 min
  • BOVESPA

    95.122,85
    -245,91 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.913,50
    -480,21 (-1,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,88
    -1,51 (-4,04%)
     
  • OURO

    1.870,10
    -9,10 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    13.558,26
    +402,89 (+3,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    266,46
    +23,78 (+9,80%)
     
  • S&P500

    3.300,86
    +29,83 (+0,91%)
     
  • DOW JONES

    26.611,90
    +91,95 (+0,35%)
     
  • FTSE

    5.582,12
    -0,68 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.309,00
    +176,25 (+1,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7311
    -0,0033 (-0,05%)
     

Veteranos tentam criar alternativa mais gentil ao Facebook

Kurt Wagner
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Um dos investimentos mais importantes da Elevation Partners, antiga empresa de capital de risco de Marc Bodnick, foi apostar US$ 210 milhões no Facebook antes de a empresa abrir capital. Mais de uma década depois, Bodnick tenta criar uma rede social sem as falhas que o Facebook e outras plataformas passaram a incorporar.

Na quinta-feira, o ex-capitalista de risco e executivo de tecnologia - cuja cunhada é Sheryl Sandberg, diretora de operações do Facebook - revelou formalmente o Telepath, um serviço com base em interesses que visa promover conversas online. A rede, que inicialmente estará disponível apenas por convite, tenta incutir padrões rígidos de conteúdo desde o início, incluindo uma regra contra a desinformação e o discurso de ódio. As pessoas precisam usar sua identidade real e fornecer um número de telefone válido para se inscrever. “Seja gentil” é a primeira regra do site.

“Não estamos muito focados no caso de uso do TikTok, pessoas compartilhando vídeos ou pessoas realmente compartilhando fotos”, disse Bodnick, cofundador do Telepath. “Estamos realmente focados em conversas longas e engajadas com pessoas que compartilham o mesmo interesse com outras que provavelmente não se conheciam antes.” Bodnick disse que o Telepath deseja limitar as contas a pessoas reais, ou seja, sem empresas ou editoras.

Bodnick se inspirou nos primeiros dias da Internet, quando plataformas como o Facebook ajudavam usuários a conhecerem pessoas e compartilharem ideias sem se preocupar tanto com animosidade, discurso de ódio ou desinformação. “Foi uma expansão de horizonte”, disse sobre entrar no Facebook. Mas Bodnick disse que há muitas pessoas como ele que estão “abandonando as plataformas tradicionais”, que gostariam de um lugar para encontrar estranhos novamente e ter discussões sérias online. O Telepath permite que usuários acompanhem “tópicos”, como videogames, humor político e mudança climática, e então contribuam para discussões em grupo sobre esses assuntos.

É claro que os fundadores do Telepath veem o site como uma alternativa a serviços como Facebook e Twitter, mesmo que não digam isso explicitamente. “O início da Internet era um lugar realmente bom para [ter conversas], mas as redes sociais existentes não servem mais para esse propósito”, escreveu o CEO Richard Henry em um blog. “Elas promovem a crueldade ao recompensar o conflito e a hostilidade, distribuem desinformação rapidamente e promovem a polarização por meio de algoritmos.”

Bodnick e Henry não são os primeiros empresários a sonhar com uma rede social mais agradável, confiável e mais limpa. Os que vieram antes do Telepath - sites como Path, Google Plus, Ello e Secret - não conseguiram ganhar muita força. O maior ativo do Facebook continua sendo sua rede de usuários, que agora totaliza mais de 3 bilhões de pessoas por mês. Apesar dos desafios do Facebook nos últimos anos em relação à confiança dos consumidores, ainda existe a sensação de que quase todo mundo usa seus serviços, o que atrai outras pessoas a permanecer por perto.

Os primeiros usuários do Telepath reúnem grandes nomes dos setores tecnologia e capital de risco, incluindo o diretor-presidente do Instagram, Adam Mosseri, o cofundador do Spotify, Daniel Ek, Bill Gurley, sócio da Benchmark, e o escritor e produtor de Hollywood Brian Koppelman. É comum que os primeiros aplicativos de consumo atraiam um grande público do Vale do Silício, embora isso raramente se traduza para o mainstream.

Bodnick disse que as pessoas que desejam ter discussões aprofundadas não se limitam a cidades como Nova York e São Francisco. “Eu gostaria de pensar que podemos nos tornar realmente grandes”, disse, mas acrescentou: “Não precisamos ser uma das maiores redes sociais do mundo para construir algo valioso.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.