Mercado abrirá em 9 h 36 min
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,78
    -0,57 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.814,30
    -15,40 (-0,84%)
     
  • BTC-USD

    35.952,61
    -1.009,53 (-2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    818,43
    -37,38 (-4,37%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    23.809,51
    -480,39 (-1,98%)
     
  • NIKKEI

    26.404,62
    -606,71 (-2,25%)
     
  • NASDAQ

    13.927,00
    -231,50 (-1,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0987
    -0,0077 (-0,13%)
     

Verificadores de fatos convocam YouTube a lutar contra desinformação

·1 min de leitura
Verificadores de fatos convocam YouTube a lutar contra desinformação (AFP/Lionel BONAVENTURE) (Lionel BONAVENTURE)

Mais de 80 organizações de verificação de fatos ("fact-checking") em todo mundo enviaram uma carta aberta ao YouTube, nesta quarta-feira (12), pedindo medidas mais eficazes para combater a desinformação.

"Todos os dias vemos que o YouTube é um dos principais vetores de desinformação online no mundo", denunciam esses meios e ONGs com sede em cerca de 40 países, como Estados Unidos (PolitiFact, The Washington Post), Espanha (Maldita.es), Senegal e Quênia (Africa Check).

"Não vemos muito esforço por parte do YouTube para aplicar políticas que resolvam o problema", dizem os signatários da carta à sua diretora, Susan Wojcicki.

O YouTube respondeu, afirmando que "investiu muito em políticas e produtos (...) para reduzir a disseminação de informação falsa".

"Houve progressos significativos", afirmou a porta-voz do YouTube Elena Hernández, acrescentando que a verificação de fatos é "uma peça de um quebra-cabeça maior para enfrentar a difusão da desinformação".

Os signatários do texto estão preocupados com a "desinformação desenfreada", que se acelerou com a pandemia da covid-19.

Documentários conspiratórios e vídeos que promovem remédios falsos tiveram milhões de visualizações no YouTube, que, assim como o Google, pertence ao grupo Alphabet.

Os verificadores de fatos continuam preocupados com riscos como a desestabilização política e dizem estar dispostos a "trabalhar com o YouTube para pôr suas propostas em prática". Entre elas, está o combate a falta de transparência no funcionamento do algoritmo, a identificação dos "infratores reincidentes", ou os vídeos que não são em inglês e escapam da vigilância.

cla/elc/alc/pc/zm/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos