Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.184,27
    +972,03 (+2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Site verifica se páginas de e-commerce são fraudulentas

·3 min de leitura

A Reduza, plataforma de comparação de preços de Campo Grande, lançou um site para ajudar os consumidores a identificarem páginas de e-commerce fraudulentos ou pouco seguros — algo útil neste período de Black Friday e compras de final de ano. O Site Confiável monitora sites de forma gratuita e em tempo real, avaliando critérios como reputação, vulnerabilidades e padrões de risco.

A Reduza afirma ter notado um aumento significativo de links suspeitos ou fraudulentos informados pelo público. O índice chega a 7%, dentro de um recorte de mais de 100.000 buscas mensais dentro da sua plataforma. Isso motivou a criação do novo site, que tenta simplificar a apresentação dos dados para ajudar as pessoas a protegerem suas compras.

Para Alessandro Fontes, cofundador do Site Confiável, esse problema prejudica não apenas o consumidor, mas também os e-commerces e marcas. Afinal, eles deixam de vender com a falta de percepção de segurança do público mais leigo.

Site Confiável analisa reputação de sites de e-commerce (Imagem: Reprodução/SiteConfiável)
Site Confiável analisa reputação de sites de e-commerce (Imagem: Reprodução/SiteConfiável)

A insegurança no comércio eletrônico aumenta no período antes da Black Friday, mas é um problema constante. Sites fraudulentos nascem todos os dias e duram poucas semanas com o intuito de roubar dados ou dinheiro das pessoas. Os portais de reclamações podem ajudar pouco nesse sentido, por não ter histórico suficiente das pessoas para prevenir futuras compras.

Por isso, além do novo site, vale ficar atento a todos os detalhes sobre a página. "Não finalize uma compra sem verificar tudo sobre o site. Os sites clonados são muito parecidos com as lojas populares. Você realmente imaginará que está na loja oficial, mas não está", diz Amador Gonçalves Neto, também cofundador da plataforma.

Lucas Pelegrino, chefe de tecnologia da plataforma, deu sete dicas de como fazer compras de forma segura:

  1. Cuidado com sites clonados: antes de comprar, verifique sempre se está realmente comprando na URL oficial da loja. Muitos sites copiam o visual de sites de compra conhecidos com o objetivo de confundir a pessoa e levá-la ao golpe. Então, olhe sempre na barra de endereço para saber se o site está correto. Na dúvida, acesse o site diretamente e pesquise pelo produto desejado;

  2. Reputação do site: use sites como Reclame Aqui e Consumidor.gov.br para consultar a reputação da empresa, principalmente se for uma loja que você nunca comprou. Evite lojas ou sites de reputação ruim ou péssima;

  3. Tempo de registro: jamais compre de sites recém criados. Existem ferramentas gratuitas que mostram os dados de propriedade do domínio da empresa e também há quanto tempo ele foi registrado. O próprio Site Confiável verifica esse dado;

  4. Cuidado com preços muito atraentes: Se o preço estiver exageradamente barato, cuidado. É comum que sites fraudulentos ofereçam produtos populares por preços impraticáveis. Portanto, faça uma boa comparação de preços e desconfie se algo assim aparecer;

  5. Cartão de crédito é mais seguro: boleto bancário e Pix são alternativas para conseguir um bom desconto à vista, mas são arriscados por não terem mecanismos para reversão do pagamento caso seja identificado um golpe. Já os cartões conseguem fazer o estorno do pagamento nesses casos;

  6. HTTPS ou SSL não é garantia de segurança: Normalmente fala-se que o certificado SSL, isto é, uma URL que começa com "https", significa que aquele site é seguro. Mas isso não fornece reputação à página. Hoje os sites falsos ou fraudulentos também têm esses selos;

  7. Cuidado extra no marketplace: ao comprar no OLX, Mercado Livre e afins, evite negociar diretamente com a pessoa ou empresa. Verifique a reputação do vendedor, a quantidade de vendas que ele já fez e pague usando o meio de pagamento disponível pela plataforma, pois elas garantem a intermediação entre as partes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos