Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.893,32
    -1.682,15 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,20
    -0,14 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.781,50
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    19.517,27
    -122,91 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,09
    +17,50 (+4,80%)
     
  • S&P500

    3.621,63
    -16,72 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    29.638,64
    -271,73 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.345,50
    +68,50 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3612
    -0,0134 (-0,21%)
     

Vereador que chamou Parada LGBTQ+ de "imoralidade" é preso por estupro de menor

·1 minuto de leitura
Vereador é preso por estupro de menor - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Vereador é preso por estupro de menor - Foto: Reprodução/Redes Sociais

O vereador do município de Curuçá, nordeste do Pará, Daniel do Abade (MDB) foi preso durante uma operação policial que averiguava estupro de vulnerável. A vítima, de acordo com a polícia, seria uma adolescente de 15 anos. As informações são do UOL.

Daniel do Abade ficou conhecido ao chamar a Parada LGBTQ+ de “fim do mundo". A declaração ocorreu em 2019 e teve ampla repercussão negativa.

"É o fim do mundo! A imoralidade deles deveria ser entre quatro paredes", afirmou. A postagem foi apagada, depois de denúncias de usuários.

Leia também

À época, Abade ainda publicou um vídeo criticando a exclusão de sua postagem preconceituosa.

"É um absurdo apagarem a postagem de uma pessoa que está ali se manifestando de forma passiva", afirma no registro.

Segundo o UOL, Abade foi interceptado na rodovia BR-316, na região de Curuça, na última sexta-feira (23). A ação contou com o apoio de agentes da Polícia Rodoviária Federal.

A prisão de Abade é de caráter preventivo e foi expedida pela justiça a partir da comprovação da autoria do crime. De acordo com apuração do UOL, houve inclusive análise de indícios criminais como vídeo, provas periciais e até depoimentos de testemunhas.

Paulo Henrique, superintendente da Polícia Civil da região, o político estava em condição e não respeitava os horários da mesma. A polícia não informou por qual crime ele estava em condicional.

O político foi encaminhado ao sistema penal do estado e segue detido.