Mercado fechará em 10 mins
  • BOVESPA

    120.066,13
    -1.175,50 (-0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.621,05
    -836,97 (-1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,98
    +0,62 (+1,18%)
     
  • OURO

    1.840,80
    +10,90 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    36.821,93
    +380,20 (+1,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    728,18
    +12,98 (+1,82%)
     
  • S&P500

    3.803,20
    +34,95 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    30.993,72
    +179,46 (+0,58%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.974,75
    +172,50 (+1,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4904
    +0,0951 (+1,49%)
     

Venezuela retoma confinamento parcial após relaxar controle

·1 minuto de leitura
(21 dez) Pessoas tiram fotos em praça de Caracas enfeitada para o Natal

O governo da Venezuela anunciou que irá retomar na próxima segunda-feira seu plano de confinamento parcial devido à pandemia de Covid-19, após relaxar o controle em dezembro.

"O presidente Nicolás Maduro, em atenção ao desenvolvimento epidemiológico da Covid-19 no mês de dezembro, decidiu retomar o esquema 7+7, com o início da quarentena radical à meia-noite de 4 de janeiro, até o dia 10", tuitou hoje a vice-presidente do país, Delcy Rodríguez.

O plano "7+7" alterna sete dias de "quarentena radical", quando todo o comércio é obrigado a fechar, salvo o essencial, com sete dias de "flexibilização", em que a retomada das atividades é permitida. O governo começou a aplicá-lo em junho e o manteve até dezembro, quando Maduro relaxou o controle para o Natal, incluindo o toque de recolher imposto aos municípios fronteiriços.

O presidente socialista alertou para "um aumento leve, mas significativo", das infecções em dezembro, encerrado com quase 11 mil novos casos e 127 mortos, segundo cifras oficiais, questionadas pela oposição e por organizações como a Human Rights Watch.

O país acumula 113.558 casos da doença e 1.028 mortos, segundo o balanço oficial. A pandemia afeta a Venezuela em meio a uma crise econômica que dificulta o confinamento, uma vez que oito em cada 10 famílias não possuem renda suficiente para comprar a cesta básica, segundo um estudo acadêmico.

atm/jt/lda/lb