Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,45
    -0,18 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.786,20
    +1,90 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    57.030,35
    +2.248,30 (+4,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.465,01
    +59,71 (+4,25%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.332,24
    +519,61 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.518,25
    +27,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4274
    +0,0005 (+0,01%)
     

Venezuela politiza vacinação com cartão de lealdade ao estado

Nicolle Yapur e Alex Vasquez
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Venezuela tem limitado o acesso a vacinas contra a Covid-19 a pessoas que tenham o cartão de subsídios do estado, o que exclui muitos opositores do governo da campanha de vacinação.

Quando o país começou a imunizar a população idosa na semana passada, disse que estava selecionando beneficiários de um registro usado pelo governo de Nicolás Maduro para monitorar a lealdade dos eleitores e conceder subsídios estatais.

Embora todos os venezuelanos tenham carteira de identidade nacional, nem todos se cadastraram para obter o cartão de subsídios do estado, conhecido como “Carnet de la Patria”, que é desproporcionalmente concedido a pessoas que dependem de ajuda estatal e têm maior probabilidade de serem leais ao governo de Maduro.

O uso do registro tem sido criticado por especialistas médicos, ONGs e pela oposição, já que o banco de dados de cerca de 20 milhões de pessoas não cobre toda a população de 28 milhões. Nos últimos anos, o governo tem usado repetidamente o cartão para condicionar o acesso a programas de alimentação, subsídios de combustível e benefícios de assistencial social.

“Para uma estratégia de vacinação, temos que partir de um registro que inclua 100% da população venezuelana”, disse Julio Castro, epidemiologista de Caracas que assessora a oposição. “Usar o Sistema Patria para decidir quem é vacinado ou não, em nossa opinião, é discriminatório”, disse em entrevista de rádio esta semana.

O Carnet de la Patria é “um mecanismo de controle eleitoral”, disse Rafael Uzcátegui, que trabalha para a ONG de direitos humanos Provea. “Muitas pessoas sabem que é um mecanismo de controle eleitoral e não querem fazer parte dele.”

“Nem na ditadura mais cruel do mundo existe discriminação para ter acesso a uma vacina”, disse o líder da oposição, Juan Guaidó, em conferência de imprensa em 9 de abril.

O Ministério da Saúde da Venezuela não respondeu a um pedido por escrito de comentários.

O país começou a vacinar profissionais de saúde em fevereiro, logo depois de receber as primeiras doses da Rússia e da China, embora muitos trabalhadores da linha de frente ainda não tenham sido imunizados. O governo não divulgou nenhum dado oficial sobre o número de pessoas vacinadas.

A Venezuela tem atualmente 175.812 casos de Covid-19, de acordo com dados do governo. Com as infecções batendo recordes diários neste mês, os hospitais do país, precários e sem recursos, estão quase lotados.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.