Mercado abrirá em 9 h 22 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,30
    -0,78 (-1,18%)
     
  • OURO

    1.817,00
    -5,80 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    49.884,02
    -7.395,63 (-12,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.363,41
    -200,42 (-12,82%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    27.988,41
    -242,63 (-0,86%)
     
  • NIKKEI

    27.628,73
    -518,78 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    13.056,50
    +58,00 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4087
    +0,0032 (+0,05%)
     

Venezuela pagou US$64 milhões para receber vacinas pelo Covax, diz vice-presidente

·1 minuto de leitura

(Reuters) - A Venezuela pagou 64 milhões de dólares, metade da quantia exigida, pelas doses que receberá por meio do programa global Covax, anunciou a vice-presidente Delcy Rodríguez neste sábado na televisão estatal.

“O mecanismo Covax exige um adiantamento --a Venezuela até dobrou o adiantamento exigido”, disse Rodríguez, acrescentando que o governo havia depositado “59,2 milhões de francos suíços nas contas da (aliança) Gavi”, co-líder do programa Covax que busca melhorar o acesso de países mais pobres à vacina.

Rodríguez não especificou quais fundos o governo usou para pagar as vacinas.

Nos últimos meses, o governo discutiu com líderes da oposição para obter vacinas via o programa Covax usando os fundos que estão congelados nos Estados Unidos.

Essa tentativa ficou mais complicada quando o presidente Nicolás Maduro recusou aceitar a vacina da AstraZeneca após relatos de coágulos de sangue em outros países. O consórcio Covax disse este ano que havia separado doses da AstraZeneca para uso na Venezuela.

Em seu anúncio, Rodríguez disse que autoridades sanitárias da Venezuela estavam avaliando quais vacinas o país aceitaria, especialmente considerando as variantes do coronavírus, particularmente a que se originou no Brasil.

(Reportagem de Sarah Kinosian)