Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,33
    -0,96 (-1,28%)
     
  • OURO

    1.733,90
    -18,10 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.746,38
    -1.317,17 (-3,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.033,22
    -23,93 (-2,26%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.768,00
    -426,75 (-2,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3416
    +0,0348 (+0,55%)
     

Venezuela denuncia violação de seu espaço aéreo por avião militar americano

·2 minuto de leitura
O ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino, em 4 de abril de 2021

O governo venezuelano denunciou nesta sexta-feira (23) que um avião cargueiro americano violou seu espaço aéreo em sua fronteira com a Colômbia, o que considerou uma "provocação".

A incursão da aeronave, "tipo C-17 de transporte militar pesado" foi registrada na quinta-feira à noite durante "um intervalo de três minutos (...), fazendo um trajeto de aproximadamente 14 milhas náuticas sobre a área mais ocidental da Serra de Perijá, estado de Zulia", informou em um comunicado o ministério da Defesa.

"Esta flagrante provocação ocorre no âmbito de exercícios militares combinados desenvolvidos pela Força Aérea e o Exército colombianos nos Departamentos de Antioquia e Cundinamarca, respectivamente, nos quais também há presença de aviões caça americanos F-16 e RC135 de exploração estratégica", acrescentou o texto.

A Força Aérea Colombiana informou em 16 de julho sobre exercícios de treinamento militar combinado com os Estados Unidos "com o objetivo de melhorar a interoperabilidade com países aliados".

"Temos conhecimento que como parte dos pré-citados exercícios estão sendo executadas tarefas de reconhecimento do espaço geográfico venezuelano, razão pela qual não descartamos outras possíveis ações hostis atentatórias contra nossa soberania e integridade territorial", denunciou a Venezuela.

O presidente Nicolás Maduro "deu ordens precisas de permanecer alerta e responder de forma contundente a qualquer ato de agressão", acrescentou o texto.

O ministério da Defesa destacou que ao longo deste ano, "aeronaves americanas violaram 21 vezes a Região de Informação de Voo (FIR) de Maiquetía [La Guaira, norte], comportando esta uma grave violação das normas internacionais de aeronáutica".

Segundo as autoridades venezuelanas, os aviões que passam pela região de informação de voo são obrigados a se comunicar com a torre de controle do aeroporto.

A Venezuela não tem relações diplomáticas com os Estados Unidos e a Colômbia, país com o qual compartilha uma porosa fronteira de mais de 2.200 km.

As relações com os dois países são tensas desde o governo do falecido presidente Hugo Chávez, mas se intensificaram depois que Washington e Bogotá reconheceram o líder opositor Juan Guaidó como presidente, após considerar que a reeleição de Maduro em 2018 foi fraudulenta.

Maduro denuncia constantemente planos dos governos destes dois países, seus principais adversários internacionais, para assassiná-lo ou derrubá-lo.

jt/pgf-atm/lda/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos