Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.453,06
    +574,99 (+1,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Venezuela aposta em desdolarização da economia

O dólar começou a circular com força em 2019, após a escassez de moeda derivada da perda de valor do bolívar (AFP/Federico PARRA) (Federico PARRA)

Depois de se abrir ao dólar como "válvula de escape" para enfrentar a crise, a Venezuela tenta dar novo impulso a sua moeda, o bolívar, substituída pela cédula verde dos Estados Unidos.

A aposta é levar para o sistema financeiro os quase US$ 3 bilhões que circulam nas ruas de um país "desmonetizado", mas toda aposta tem seus riscos, advertem os especialistas.

Provocada por violentas desvalorizações e pela hiperinflação, a desconfiança em relação ao bolívar persiste, apesar de uma desaceleração do aumento dos preços e de um tímido crescimento da economia. Em sete anos consecutivos de recessão, o país viu seu Produto Interno Bruto (PIB) despencar 80%.

A dolarização, classificada como "válvula de escape" pelo próprio presidente Nicolás Maduro, e a flexibilização do controle dos preços deixaram para trás a escassez crônica de alimentos e as quilométricas filas para comprar um pacote de arroz.

"É uma aposta arriscada, com um 'timing' ruim, porque a recuperação é muito fraca, e a economia ainda sofre uma inflação crônica, não hiperinflação, mas sim inflação crônica (...). É muito alta, para que você, por obrigação, restabeleça a confiança na moeda de um dia para o outro", comentou o diretor da firma Ecoanalítica, Asdrúbal Oliveros, em entrevista à AFP.

O último passo é um imposto de 3% a 20% sobre transações em moeda estrangeira, vigente desde 28 de março. Com o novo tributo, o governo espera fomentar o uso do bolívar, após estabilizar a taxa de câmbio com uma massiva injeção estatal de divisas no mercado.

A cotação oficial do dólar passou de 4,18 para 4,43 bolívares de outubro de 2021 até abril de 2022, uma desvalorização de 6,7% depois de chegar a 76% no ano passado até esse mês e superar 95% a cada ano em 2018, 2019 e 2020.

Em 2021, a inflação fechou em 686%, segundo o Banco Central, após alcançar 130.060%, em 2018; 9.585%, em 2019; e 2.959%, em 2020. Projeções privadas chegaram a situar essa variável em seis dígitos em 2018.

O governo tem seus êxitos nessa política de fomentar o uso do bolívar. A superintendência de Bancos informou que as transações digitais em moeda local, pessoa a pessoa, aumentaram 21% desde a aplicação do imposto, e os pagamentos em débito, 22%.

"Estamos entrando em uma dinâmica diferente", disse o diretor da consultoria Econométrica, Henkel García.

"A Venezuela é hoje um país desmonetizado", afirmou García, explicando que "estão buscando remonetizar e fazer isso em bolívares (...) Ter uma moeda própria dá margem de manobra".

erc/jt/gm/cjc/dd/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos