Mercado abrirá em 8 h 39 min
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,66
    -0,41 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.807,30
    +5,50 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    38.302,91
    +4.202,08 (+12,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    915,88
    +122,15 (+15,39%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    26.527,06
    -794,92 (-2,91%)
     
  • NIKKEI

    27.859,71
    +311,71 (+1,13%)
     
  • NASDAQ

    15.087,25
    -10,75 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1233
    +0,0017 (+0,03%)
     

Veneno da aranha mais perigosa do mundo pode ajudar a salvar corações de humanos

·2 minuto de leitura

O veneno de uma aranha pode ser a resposta para reduzir os danos causados por um ataque cardíaco ao órgão, além de aumentar a expectativa de vida de transplantados. A novidade vem de um estudo realizado na Austrália com a proteína do veneno da aranha-teia-de-funil, chamada de Hi1a.

Glenn King, um dos líderes do estudo e professor da Universidade de Queensland, conta que o coração é um órgão que tem zero capacidade de se regenerar. "As pessoas podem sobreviver a um ataque cardíaco, mas as células musculares nunca voltarão, então eles ficam com um coração bastante danificado", conta.

<em>Aranha-teia-de-funil (Foto: Reprodução/Universidade de Queensland)</em>
Aranha-teia-de-funil (Foto: Reprodução/Universidade de Queensland)

Então, qualquer tecido que possa ser recuperado durante ou depois de um ataque cardíaco já é importante. É quando a proteína Hi1a atua interrompendo um sinal que é enviado à célula para que ela morra caso não tenha oxigênio suficiente, o que pode acontecer durante um ataque ou durante a remoção do órgão para o transplante.

King explica que o coração só consegue sobreviver fora do corpo por algumas horas, ficando danificado por não ter suprimento de sangue e oxigênio suficientes, o que justifica a "corrida" que acontece durante transplantes cardíacos. "Acreditamos que a droga poderá ser usada para aumentar o número de doadores de coração que estarão disponíveis para transplante", diz o especialista.

Os testes foram feitos em células humanas de um coração ainda com batimentos em laboratório, e a equipe de cientistas descobriu que as células expostas ao ataque cardíaco tinham mais chances de sobreviver se tratadas com a proteína Hi1a.

<em>Dra. Meredith Redd (Foto: Reprodução/Universidade de Queensland)</em>
Dra. Meredith Redd (Foto: Reprodução/Universidade de Queensland)

A possível nova droga ainda não passou por testes em humanos, o que não deve acontecer antes de passar por testes toxicológicos ou ainda transplantes de coração entre animais. A previsão de King é que os testes clínicos em transplante de coração humano comecem em 2023, e com corações com ataques cardíacos em 2024.

A aranha-teia-de-funil é considerada a mais perigosa no mundo e é nativa do continente australiano. O bicho também é primitivo e existe há cerca de 400 milhões de anos, muito antes dos dinossauros pisarem na Terra. O veneno da criatura é extremamente tóxico e conta com mais de três mil moléculas diferentes.

O estudo foi publicado na revista científica Circulation.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos