Mercado abrirá em 2 h 22 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,00
    +0,62 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.768,60
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    55.868,77
    -1.191,07 (-2,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.263,31
    -35,65 (-2,74%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.932,79
    -67,29 (-0,96%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.843,00
    -54,25 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6842
    +0,0085 (+0,13%)
     

Venda de soja fica em segundo plano com foco do produtor na colheita, diz Safras

·1 minuto de leitura
Colheita de soja em Gilbués (PI)

SÃO PAULO (Reuters) - A comercialização de soja do Brasil teve uma evolução mais lenta no último mês, atingindo 62,7% da produção esperada para o ciclo de 2020/21, com agricultores focando esforços na colheita e deixando as vendas em "segundo plano", avaliou a consultoria Safras & Mercado nesta quarta-feira.

Um mês atrás, as vendas tinham atingido 59,8% do total esperado, o que significa uma evolução dos negócios desde então de 2,9 pontos percentuais.

Isso deixou o patamar de vendas mais próximo do visto em igual período do ano passado (61%), mas a comercialização segue bem adiantada ante a média para esta época (49%), "devido à elevação consistente nos preços da oleaginosa".

"Nesse último mês, os produtores priorizaram os trabalhos de colheita e deixaram a comercialização em um segundo plano. Até mesmo devido ao excesso de chuvas e ao atraso da colheita", disse o analista da Safras Luiz Fernando Roque.

Com a produção total estimada em 133,104 milhões de toneladas, a consultoria acredita que 83,463 milhões de toneladas tenham sido negociadas.

Do total projetado, produtores tinham colhido pouco mais de um terço da safra até a semana passada, enquanto no mesmo período do ano anterior cerca de metade da colheita havia sido retirada dos campos, segundo analistas.

Com os negócios mais lentos e desafios para tirar a soja dos campos devido à chuva, a venda já está atrás do ano passado em Mato Grosso. O maior Estado produtor da cultura negociou 74% da produção, ante 79% no mesmo período da safra passada e média histórica de 63%.

No Paraná, as vendas chegaram a 63%, acima dos 48% vistos um ano antes e da média histórica de 39%.

(Por Nayara Figueiredo e Roberto Samora)