Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.690,17
    +1.506,22 (+1,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.004,19
    -373,28 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,22
    +0,39 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.690,80
    -9,90 (-0,58%)
     
  • BTC-USD

    46.719,37
    -3.886,79 (-7,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    935,85
    -51,36 (-5,20%)
     
  • S&P500

    3.768,47
    -51,25 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.924,14
    -345,95 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.650,88
    -24,59 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.485,37
    -444,74 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    12.353,00
    -102,00 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7821
    -0,0038 (-0,06%)
     

Vendas pendentes de moradias nos EUA caem em dezembro pelo 4º mês seguido

·1 minuto de leitura
Placa informando redução de valor em casa a venda nos EUA

WASHINGTON (Reuters) - O número de contratos para compra de casas usadas nos Estados Unidos diminuiu pelo quarto mês consecutivo em dezembro, devido à falta de imóveis disponíveis para venda, o que está elevando os preços.

A Associação Nacional de Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês) informou nesta sexta-feira que seu Índice de Vendas Pendentes de Moradias, baseado em contratos assinados no mês passado, caiu 0,3% em dezembro, para 125,5.

Economistas ouvidos pela Reuters previam que os contratos imobiliários pendentes, que se transformam em vendas após um ou dois meses, recuariam 0,1% em dezembro.

Na comparação com o ano anterior, as vendas pendentes de residências aumentaram 21,4% em dezembro. As vendas de casas existentes alcançaram uma máxima em 14 anos em 2020.

"Há uma alta demanda por moradias e um grande número de possíveis compradores", disse o economista-chefe do NAR, Lawrence Yun. "Esta demanda elevada sem um aumento significativo na oferta fez os preços das casas aumentarem e podemos esperar mais pressão de alta sobre os preços no futuro próximo."

O mercado imobiliário tem sido amparado por taxas mais baratas de hipotecas e por um êxodo de áreas centrais de cidades para subúrbios e outras regiões de baixa densidade, à medida que empresas permitem que funcionários trabalhem em casa e escolas adotam ensino online, devido à pandemia do coronavírus. Cerca de 23,7% da força de trabalho está trabalhando de casa.

A oferta de moradias continua sendo um desafio, em meio à escassez de madeira, terras e mão de obra. Isso está aumentando os preços das casas.

(Por Lucia Mutikani)