Mercado fechado

Vendas no varejo sobem 3,4% e registram patamar recorde em agosto, mostra IBGE

Bruno Villas Bôas
·3 minutos de leitura

Foi o quarto mês seguido de alta do varejo, após o choque inicial da pandemia sobre as vendas O volume de vendas do varejo cresceu 3,4% em agosto, perante um mês antes, já descontados os efeitos sazonais, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado, as vendas varejistas atingiram o maior patamar da série histórica da pesquisa, iniciada em janeiro de 2000. Foi o quarto mês seguido de alta do varejo, após o choque inicial da pandemia sobre as vendas. A leitura ficou acima da mediana das projeções de 27 consultorias e instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data, de 3,2% de avanço. As estimativas iam de 1,2% a 8,6% de crescimento. Nos últimos meses, a recuperação do varejo surpreendeu positivamente os analistas. Um dos motivos para a rápida recuperação é a transferência de recursos do governo, como o auxílio emergencial. Em julho, por exemplo, o setor cresceu 5% frente a junho (dado revisado de alta de 5,2% anteriormente divulgada). Quando comparado a agosto de 2019, o varejo apresentou expansão de 6,1%. O setor ainda acumula queda no ano, de 0,9%, e crescimento de 0,5% em 12 meses. Julio Bittencourt/Valor O IBGE também informou que a receita nominal do varejo cresceu 3,9% de julho para agosto e 5,9% perante um ano antes. Pelo conceito ampliado, que inclui as vendas de veículos e materiais de construção, as vendas do varejo tiveram elevação de 4,6% entre julho e agosto. A expectativa dos analistas era de alta de 4,1%. O intervalo era de 2,1% a 6,5% de incremento. Em relação a agosto de 2019, as vendas do varejo ampliado subiram 7,6%. O setor acumula queda de 5% no ano e baixa de 1,7% em 12 meses. Já a receita nominal do varejo ampliado apresentou aumento de 5,2% no mês em agosto e de 7,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior. O volume de vendas no varejo cresceu em sete das dez atividades analisadas no conceito ampliado em agosto, na comparação a julho, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segmentos Os principais destaques positivos em agosto foram as vendas de tecidos, vestuário e calçados (30,5%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (10,4%), este inclui o comércio varejista online e grandes redes de magazine, que vendem produtos de cama, mesa e banho e brinquedos. Outros destaques positivos foram as vendas de móveis e eletrodomésticos (4,6%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (1,5%) e combustíveis e lubrificantes (1,3%). No lado negativo no mês, houve queda nas vendas de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-1,2%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,2%) e livros, jornais, revistas e papelaria (-24,7%). Localidades As vendas do varejo cresceram em 25 das 27 unidades da federação de julho para agosto. Entre os locais pesquisados, destacaram-se Acre (15,6%), Rondônia (12,8%) e Amapá (12,1%). Em São Paulo, as vendas registraram alta de 0,4% no mês. No lado negativo, as quedas ocorreram em Tocantins (-2,4%) e no Rio Grande do Sul (-0,2%).