Mercado abrirá em 4 h 7 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,00
    +0,12 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.865,80
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.742,71
    -556,93 (-1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    997,99
    +29,15 (+3,01%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.162,93
    +16,25 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.145,75
    +21,00 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1523
    +0,0208 (+0,34%)
     

Vendas no varejo nos EUA ficam estagnadas em abril

·1 minuto de leitura
Vendas no varejo nos EUA ficam estagnadas em abril

WASHINGTON (Reuters) - As vendas no varejo dos Estados Unidos ficaram inesperadamente estagnadas em abril com a redução do impulso dos cheques de estímulo, mas uma aceleração é provável nos próximos meses em meio a poupanças recordes e à reabertura da economia.

O Departamento do Comércio informou nesta sexta-feira que a leitura estável das vendas varejistas seguiu-se a um salto de 10,7% em março, em dado revisado para cima de alta de 9,7% informada antes.

Economistas consultados pela Reuters previam alta de 1,0% das vendas.

Muitas famílias qualificadas receberam cheques adicionais de 1.400 dólares em março, como parte do pacote de resgate da Casa Branca de 1,9 trilhão de dólares pela pandemia e aprovado no início daquele mês.

As famílias acumularam 2,3 trilhões de dólares em poupança extra durante a pandemia, o que deve sustentar os gastos neste ano.

Mas após a informação neste mês de que as contratações desaceleraram em abril em meio à falta de mão de obra, a fraqueza das vendas pode provocar ansiedade sobre a recuperação econômica.

Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços alimentícios, as vendas no varejo caíram 1,5% no mês passado depois de alta de 7,6% em março. O chamado núcleo das vendas corresponde mais de perto ao componente dos gastos dos consumidores no Produto Interno Bruto.

(Reportagem de Lucia Mutikani)