Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.620,46
    -1.376,59 (-3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Vendas no varejo da zona do euro caem mais do que o esperado em abril

·1 minuto de leitura

Por Jan Strupczewski

BRUXELAS (Reuters) - As vendas no varejo da zona do euro caíram mais do que o esperado em abril, impactadas por uma queda nas vendas de produtos não alimentícios, mas ainda foram bem maiores do que 12 meses antes, quando a maioria dos países estava sob estritos bloqueios de pandemia, mostraram dados divulgados nesta sexta-feira.

O escritório de estatísticas da União Europeia, Eurostat, disse que as vendas no varejo nos 19 países que compartilham o euro caíram 3,1% em abril sobre março, mas foram 23,9% maiores do que no mesmo mês do ano anterior.

Economistas ouvidos pela Reuters esperavam uma queda mensal de apenas 1,2% e um aumento anual de 25,5%.

O Eurostat disse que as vendas de produtos não alimentícios, excluindo combustível para carros, caíram 5,1% no mês, embora tenham sido 42,6% maiores do que em abril de 2020. As vendas de combustível automotivo foram 0,4% maiores no mês e 65,5% maior do que em abril do ano anterior.

As vendas no varejo são vistas como um indicador proxy para a demanda do consumidor. Isso, por sua vez, é fundamental para a evolução da inflação, que o Banco Central Europeu deseja manter abaixo, mas perto, de 2% no médio prazo. A inflação já atingiu 2% em maio e deve subir, ainda que apenas temporariamente, neste ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos