Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.667,66
    +293,79 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.232,20
    -741,07 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,63
    +1,20 (+1,40%)
     
  • OURO

    1.813,40
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    42.363,68
    -30,30 (-0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.009,31
    -0,08 (-0,01%)
     
  • S&P500

    4.577,11
    -85,74 (-1,84%)
     
  • DOW JONES

    35.368,47
    -543,34 (-1,51%)
     
  • FTSE

    7.563,55
    -47,68 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.745,58
    -511,67 (-1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.194,00
    -12,00 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3111
    +0,0040 (+0,06%)
     

Supermercados ajudam e vendas varejistas no Brasil têm alta inesperada em novembro

·2 min de leitura
Pessoas caminham entre vendedores ambulantes no centro do Rio de Janeiro

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) -As vendas de supermercados ajudaram o varejo no Brasil a registrar crescimento inesperado em novembro, mesmo com um impacto mais fraco da Black Friday em 2021.

Em novembro, as vendas varejistas apresentaram ganhos de 0,6% na comparação com o mês anterior, mesmo em um cenário difícil para o comércio, com inflação elevada e desemprego ainda alto.

O dado, divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), surpreendeu a expectativa em pesquisa da Reuters de recuo de 0,2%.

Na comparação com o mesmo mês de 2020, as vendas varejistas tiveram recuo de 4,2% em novembro, contra expectativa de uma queda de 6,5%.

“O que vimos foi uma Black Friday muito menos intensa, em termos de volume de vendas, do que a de 2020, quando esse período de promoções foi melhor, sobretudo para as maiores cadeias do varejo”, explicou o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

Segundo ele, isso deve à inflação e a uma mudança no perfil de consumo, com algumas compras realizadas em outubro ou até mesmo antes, em meio a uma maior disponibilidade de crédito.

"Isso adiantou de certa forma a Black Friday para algumas cadeias”, disse Santos.

O IBGE ainda revisou o resultado de outubro para uma alta de 0,2% em relação ao mês anterior, depois de ter divulgado anteriormente queda de 0,1%.

Apesar do ganho no mês de novembro, das oito atividades pesquisadas em setembro, cinco tiveram queda. O aumento geral das vendas foi ajudado pelo crescimento de 0,9% em hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo.

Também avançaram artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,2%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,2%).

Por outro lado, o volume de vendas de móveis e eletrodomésticos recuou 2,3%. Tecidos, vestuário e calçados tiveram queda de 1,9%, enquanto combustíveis e lubrificantes e livros, jornais, revistas e papelaria tiveram perdas de 1,4% cada. As vendas de Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação caíram 0,1%.

O comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, teve crescimento de 0,5% em novembro sobre outubro.

Veículos, motos, partes e peças cresceram 0,7%, enquanto as vendas de material de construção aumentaram 0,8%, depois de resultados negativos do mês anterior.

(Edição de Maria Pia Palermo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos