Mercado fechará em 4 h 11 min
  • BOVESPA

    113.415,64
    +2.231,69 (+2,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.422,90
    +45,43 (+0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,96
    +1,68 (+2,74%)
     
  • OURO

    1.717,50
    +1,70 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    49.560,76
    -1.193,62 (-2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    993,31
    +6,10 (+0,62%)
     
  • S&P500

    3.824,04
    +4,32 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    31.306,44
    +36,35 (+0,12%)
     
  • FTSE

    6.637,23
    -38,24 (-0,57%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.678,50
    -3,25 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7319
    -0,0468 (-0,69%)
     

Vendas no mês do Natal caem 6,1% e varejo fecha ano abaixo da expectativa

DIEGO GARCIA
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 02.12.2020 - Movimento de consumidores a região da 25 de Março. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 02.12.2020 - Movimento de consumidores a região da 25 de Março. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O varejo brasileiro terminou 2020 com crescimento de 1,2% nas vendas, mesmo com o impacto da Covid-19, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (10).

O dado, no entanto, veio abaixo da expectativa do mercado, que esperava que o setor encerrasse o ano com alta de 5,5%, segundo analistas ouvidos pela Bloomberg,

O resultado foi influenciado pela queda de 6,1% em dezembro -mês que tradicionalmente tem alta nas vendas, relacionadas ao Natal.

Foi o maior recuo para o mês de toda a série histórica, iniciada em 2000, e o segundo pior quando se leva em consideração todos os meses do ano, ficando atrás apenas de abril de 2020, quando o setor sentiu o maior impacto da pandemia (-17,2% nas vendas).

A expectativa de analistas ouvidos pela Bloomberg era de um recuo de apenas 0,7% em dezembro.

Com a retração observada em dezembro, o varejo voltou ao mesmo patamar de fevereiro, último mês antes da eclosão da pandemia no Brasil.

Cristiano Santos, gerente da pesquisa, afirmou que houve um crescimento acelerado desde abril que levou o setor a bater recordes de vendas. A base comparativa elevada, portanto, explica em parte o tombo de dezembro.

Na prática, isso significa que uma empresa média tinha em dezembro o mesmo nível de vendas de fevereiro, diz Santos.

O resultado do ano foi o menor nos últimos quatro anos. As vendas no varejo registraram altas de 2,1% em 2017, 2,3% em 2018 e 1,8% em 2019.