Mercado abrirá em 1 h 49 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,50
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.778,10
    +11,30 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    60.718,61
    -2.094,60 (-3,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.349,98
    -30,97 (-2,24%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.019,25
    +35,75 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.000,25
    -13,75 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7301
    +0,0090 (+0,13%)
     

Vendas na Semana no Consumidor dobram em 2021; celulares foram os mais buscados

Diego Sousa
·1 minuto de leitura

A Semana do Consumidor, primeiro grande período de promoções do ano, aconteceu entre os dias 15 e 21 de março e registrou mais que o dobro de vendas em relação à 2020, mesmo com a pandemia de COVID-19 no Brasil passando pela sua pior fase. As informações são do UOL Economia, com dados levantados pelo Movimento Compre & Confie, que analisa dados do varejo brasileiro.

De acordo com o levantamento, a arrecadação nos sete dias de promoções foi de R$ 3,2 milhões, 103% a mais em relação à Semana do Consumidor do ano passado. No total, foram 7,1 milhões de pedidos feitos, quase o dobro (88%) quando comparado com o mesmo período de 2020.

Curiosamente, o tíquete médio, valor médio gasto por compra, aumentou 8%, ficando em R$ 454. Isso significa que os consumidores gastaram mais na última Semana do Consumidor, período marcado pelo desemprego recorde em 20 estados brasileiros em 2020, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), além do fim do auxílio emergencial desde dezembro do ano passado.

Os produtos mais comparados pelos consumidores entre 15 e 21 de março foram celulares, livros, remédios, eletrônicos e vestuário fitness, este último muito procurado devido ao aumento de atividades físicas em casa. No entanto, as categorias que mais faturaram seguiram a tendência do home office e as recomendações de isolamento social: smartphones, notebooks, eletrônicos (TVs), refrigeradores e máquinas de lavar.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: