Mercado fechado

Vendas de implementos rodoviários caem 20% no ano, diz associação

Carlos Prieto

Somente em maio, o volume foi 41,8% menor do que no mesmo mês de 2019, informou a Anfir Os fabricantes de implementos rodoviários fecharam os cinco primeiros meses do ano com queda de 20,14% nos emplacamentos totais. Foram 37.332 unidades no acumulado de 2020 contra 46.745 unidades no mesmo período do ano passado, segundo números divulgados a pouco pela Anfir, entidade que reúne 138 empresas que atuam nos segmentos de implementos pesados e leves.

O desempenho do mês passado aprofundou o ritmo de queda do setor. Em maio, o volume de emplacamentos foi 41,8% menor do que no mesmo mês do ano passado. No primeiro bimestre, os fabricantes apresentavam crescimento de 4,12%. Mas, no trimestre, com os primeiros efeitos da pandemia da covid-19 na segunda quinzena de março, o desempenho caiu para 0,77%.

Valor

No quadrimestre, a queda já somava 13,38%. Os pedidos em carteira feitos no fim de 2019 e começo de 2020 ainda estão garantindo as atividades nas indústrias.

Em maio, foram emplacados 6.454 implementos, contra 11.096 há um ano, uma queda de 41,84% na comparação anual. Sobre abril, com base nos dados divulgados mensalmente, o setor apresenta alta nas entregas de 927 unidades, crescimento de 16,77%.

Por segmento, a maior queda foi verificada nos pesados, os chamados reboques e semirreboques, com a venda de 20.105 unidades. No acumulado de 2020, houve 25.597 implementos, uma redução de 21,46%. No segmento de leves a queda foi de 18,54%, com 17.227 unidades em 2020 contra 21.148 há um ano.

Em nota, o presidente da Anfir, Norberto Fabris, afirmou que o agronegócio deverá reduzir o impacto da crise econômica. “O setor é bastante representativo no faturamento da indústria de implementos rodoviários, sendo responsável por aproximadamente um terço das nossas vendas”, disse. Fabris lembrou que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou crescimento de 1,9% no primeiro trimestre.

O presidente da entidade não acredita numa rápida retomada econômica neste ano. “A reativação da economia não será no mesmo ritmo de sua queda”, afirmou na nota. A expectativa da Anfir no início do ano era de crescimento de 10% em 2020. A receita total do setor em 2019 superou os R$ 5 bilhões.

As exportações também apresentam queda no ano. No acumulado até maio foram embarcadas 531 unidades, contra 1.028 no mesmo período de 2019, queda de 48,35%.