Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.316,27
    -1.268,33 (-2,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Vendas globais de chips crescem 6,5% em 2020

Stephen Nellis
·2 minuto de leitura
Placa de Chips em exibição em Shenzhen

Por Stephen Nellis

SÃO FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - As vendas globais de semicondutores aumentaram 6,5% em 2020, uma vez que uma recuperação durante o último trimestre ajudou a compensar uma queda acentuada em março e abril, quando o isolamento social causado pela pandemia foi adotado em todo o mundo.

As vendas globais foram de 439 bilhões de dólares em 2020, de acordo com dados da Semiconductor Industry Association (SIA), um grupo comercial que representa a maioria dos fabricantes de chips dos Estados Unidos, além de muitas empresas internacionais. O grupo disse que as vendas das fabricantes de chips dos EUA foram de cerca de 208 bilhões de dólares, ou cerca de 47% do total.

As vendas de chips nos Estados Unidos foram de 94,15 bilhões de dólares, um aumento de 19,8% em relação ao ano anterior.Falan Yinug, diretor de estatísticas da indústria e política econômica da SIA, disse que grande parte do aumento nas compras nos EUA foi impulsionado por chips de memória de alta tecnologia usados em aplicações como centros de dados.

Empresas norte-americanas de tecnologia como Amazon, Microsoft e Google, viram aumentos acentuados no uso da computação em nuvem ao longo de 2020, conforme as empresas se adaptaram para o trabalho remoto.

Embora as empresas sediadas nos EUA representassem quase metade das vendas de semicondutores, elas representavam apenas cerca de 12% da capacidade de produção de chips em 2020. Essa fatia caiu de 37% em 1990, já que a maioria das empresas norte-americanas agora compra seus chips de fábricas na Ásia.

John Neuffer, presidente-executivo do grupo, disse que a legislação aprovada no ano passado para fornecer incentivos às fábricas de chips nos Estados Unidos pode ajudar a mudar esse número este ano. A lei poderia fornecer financiamento para empresas dos EUA, como Intel ou GlobalFoundries, bem como empresas estrangeiras, como Samsung Electronics ou Taiwan Semiconductor Manufacturing.

"Nos próximos 10 anos, a fabricação de semicondutores crescerá 56%", disse Neuffer. "Queremos ter certeza de que obteremos uma fatia maior do bolo."

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447753)) REUTERS AAJ