Mercado fechará em 4 h 43 min

Vendas em brechós devem subir 30% em 2022, diz levantamento

Pesquisa aponta que volume de vendas em brechós deve subir quase 30%. Foto: Getty Images.
Pesquisa aponta que volume de vendas em brechós deve subir quase 30%. Foto: Getty Images.
  • Levantamento mostra que volume de vendas em brechós deve subir quase 30% em 2022;

  • Em 2021, o setor de brechós faturou R$ 2,9 bilhões;

  • Segundo coordenadora da FAAP, produtos de brechós passaram a ser mais valorizados com a internet.

O debate sobre um mercado de moda mais sustentável existe há anos, e, de acordo com uma pesquisa recente, os brechós do Brasil parecem estar na vanguarda do tema.

Segundo levantamento do Instituto de Economia Gastão Vidigal da Associação Comercial de São Paulo (IEGV/ACSP), o volume de vendas nos estabelecimentos de roupas e acessórios usados deve subir quase 30% em 2022. O setor faturou R$ 2,9 bilhões apenas em 2021.

De acordo com a coordenadora do curso de fashion business da FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado) e mentora de empreendedores, Marília Carvalhinha, o objeto que é chamado de produto de segunda mão passou a ser mais valorizado com ajuda da internet.

Leia também:

“É um grande desafio tecnológico pra cadeia da moda aumentar a sustentabilidade. Uma das maneiras de melhorar isso é fazer com que o produto seja mais usado e o ‘second hand’ é uma maneira de cumprir esse objetivo”, diz Carvalhinha.

Uma das sócias do brechó online “Peguei Bode”, Gabriela Carvalho, afirma que o comportamento da clientela mudou após os dois anos da pandemia.

“As pessoas preferem fazer uma compra certa, não tem mais aquela coisa de comprar dez bolsas e deixar paradas. Agora, elas preferem comprar duas bolsas muito legais sabendo que estão fazendo boas compras e que, no futuro, ela pode vender e ganhar dinheiro”, explica.

Mesmo com o sucesso das plataformas digitais, o local físico volta ganhar força aos poucos. Uma das sócias do brechó “Agora é Meu”, Siomaria Leite, diz que não abre mão do estabelecimento: “As pessoas gostam de vir, conversar, tomar um café e pedir uma dica. Passa credibilidade, por isso acho que o diferencial de uma loja física é isso”.

*Com informações da CNN.