Mercado abrirá em 8 h 33 min
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,64
    -0,43 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.806,50
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    38.389,94
    +4.089,69 (+11,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    918,95
    +125,22 (+15,78%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    26.527,06
    -794,92 (-2,91%)
     
  • NIKKEI

    27.866,57
    +318,57 (+1,16%)
     
  • NASDAQ

    15.085,25
    -12,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1233
    +0,0017 (+0,03%)
     

Vendas do comércio avançam 1,4% em maio

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 03.05.2021 - Movimentação no comércio da região da rua 25 de Março, na regiao central de SP. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 03.05.2021 - Movimentação no comércio da região da rua 25 de Março, na regiao central de SP. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O volume de vendas do comércio varejista subiu 1,4% em maio, na comparação com abril. Trata-se da segunda alta consecutiva. O resultado foi divulgado nesta quarta-feira (7) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em relação a maio de 2020, houve alta de 16%. No quinto mês do ano passado, o setor sentia os impactos da fase inicial da pandemia, que provocou fechamento de lojas.

Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam avanço de 2,3% no volume de vendas ante abril, além de crescimento de 17,5% frente a igual período anterior.

Com o desempenho em maio, o comércio acumulou elevação de 5,4% em 12 meses. No acumulado deste ano, o setor registra alta de 6,8%.

Após o impacto inicial da crise sanitária, as vendas ensaiaram retomada ao longo do segundo semestre de 2020. Contudo, o avanço da Covid-19 na largada de 2021 e a redução de estímulos à economia geraram perda de fôlego nos negócios.

Neste momento, desemprego e inflação em alta desafiam o varejo. É que, juntas, as variáveis reduzem o poder de compra dos consumidores.

No trimestre encerrado em abril, dado mais recente disponível, a taxa de desemprego permaneceu no nível recorde de 14,7% no país. Havia 14,8 milhões de trabalhadores desocupados à época.

Já o controle da inflação é ameaçado pela pressão de itens como combustíveis e energia elétrica. A conta de luz ficou mais cara devido à crise hídrica, que encarece os custos de geração de energia.

Diante desse quadro, especialistas consideram fundamental o avanço da vacinação contra o coronavírus. A imunização é vista como mecanismo para reduzir restrições a atividades como o comércio e elevar a confiança de consumidores.

Na semana passada, o IBGE divulgou o resultado de maio da produção industrial. No quinto mês deste ano, as fábricas registraram avanço de 1,4%, após três recuos consecutivos. O desempenho do setor de serviços em maio será conhecido na próxima semana.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos