Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.336,44
    +1.611,73 (+3,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Vendas de celulares sofrem redução no terceiro trimestre, mas Apple ganha espaço

·3 min de leitura

Novos dados fornecidos pelo IDC (Internacional Data Corporation, ou Corporação Internacional de Dados, tradução livre) revelam que a venda de smartphones teve uma redução de 6,7% no terceiro trimestre de 2021, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Analistas já previam uma queda, mas projeções anteriores indicavam que a diminuição seria de aproximadamente 2,9% — portanto, os resultados mostraram uma baixa ainda mais brusca. A principal causadora desse panorama ainda é a crise dos semicondutores, que provoca a escassez de componentes importantes para os celulares de diversas companhias, além de também afetar outros mercados como automóveis e eletrodomésticos em geral.

Crise dos semicondutores provoca queda na venda de smartphones (Imagem: SempreUpdate)
Crise dos semicondutores provoca queda na venda de smartphones (Imagem: SempreUpdate)

A crise também pode ser notada nos números das vendas em diferentes países. No geral, regiões que são mais valorizadas pelos fornecedores registraram quedas menores: locais como Estados Unidos, Europa Ocidental e China apresentaram diminuições de 0,2%, 4,6% e 4,4%, respectivamente. Para efeito de comparação, a Europa Central e Leste Europeu viram tombos de 23,2% e 11,6%, respectivamente.

Mesmo assim, a tendência é de melhora nos dados, já que o mercado de smartphones cresceu cerca de 6% entre o segundo e o terceiro trimestre, de acordo com o mesmo estudo. Essa recuperação é relacionada com o retorno do ritmo da atividade industrial, que ainda é lento mas já pode ser visto.

Samsung lidera, Apple ganha espaço

Tabela mostra crescimento da Apple entre 2020 e 2021 (Imagem: IDC)
Tabela mostra crescimento da Apple entre 2020 e 2021 (Imagem: IDC)

Em relação aos índices individuais por marca, a Samsung segue como a marca que mais vendeu celulares no período estudado, com cerca de 69 milhões de unidades. Porém, a Apple ganhou espaço na fatia de mercado em relação ao ano passado, com mais de 50 milhões de smartphones comercializados no terceiro trimestre de 2021.

Com isso, a marca sul-coreana fica com cerca de 20,8% da fatia de mercado, contra 15,2% da companhia de Cupertino — a relação era de respectivamente 22,7% e 11,7% no mesmo período de 2020. Portanto, a Apple ganhou terreno entre um ano e outro, algo já esperado pelo lançamento da linha iPhone 13 dentro do cronograma original, enquanto em 2020 a linha iPhone 12 precisou ter seu lançamento adiado em algumas semanas, impactando mais nos números do quarto trimestre.

Samsung permanece como marca que mais vende celulares (Imagem: Divulgação/Samsung)
Samsung permanece como marca que mais vende celulares (Imagem: Divulgação/Samsung)

A terceira colocação fica com a Xiaomi, que apresentou uma ligeira redução em suas vendas, passando de 46,5 milhões para 44,3 milhões de celulares vendidos no terceiro trimestre de 2020 e 2021, respectivamente. Porém, a fatia de mercado da marca chinesa cresceu de 13,1% para 13,4% no mesmo período estudado.

Na sequência ficam a Oppo e a Vivo Mobile Communications Co. em empate técnico, com 33,3 milhões e 33,2 milhões de aparelhos vendidos respectivamente, e por consequência registram fatias similares de mercado, por volta dos 10%. Ambas as marcas pertencentes ao grupo BBK Electronics obtiveram crescimento ano a ano, com até 8,6% no caso da Oppo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos