Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.314,67
    -220,85 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Vendas de celulares atingem pior patamar em uma década

De acordo com novos relatórios publicados pela agência de pesquisa Canalys, o mercado de smartphones ainda enfrenta dificuldades. Os números do quarto trimestre mostraram o pior resultado em uma década, segundo o analista Runar Bjørhovde.

Vendas de smartphones caíram 17% no último trimestre de 2022 (Imagem: Canalys)
Vendas de smartphones caíram 17% no último trimestre de 2022 (Imagem: Canalys)

Foi registrado um decréscimo próximo a 17% em relação ao mesmo período do ano anterior, com menos de 300 milhões de unidades vendidas. Quando se considera o ano como um todo, foi uma queda de 11% em relação a 2021.

Especialistas apontam que os resultados acontecem devido a um cenário macroeconômico pouco favorável. Fatores como o aumento no preço dos componentes e tensões geopolíticas ainda são citados como os principais causadores do baixo número de vendas.

A época de festas de fim de ano conseguiu fazer com que as marcas esvaziassem parte de seus estoques. Porém ainda há uma certa cautela em relação à reposição, por conta da baixa demanda registrada ao longo dos últimos meses.

Samsung permanece como a marca mais popular, apostando em todos os segmentos (Imagem: Divulgação/Samsung)
Samsung permanece como a marca mais popular, apostando em todos os segmentos (Imagem: Divulgação/Samsung)

A procura por dispositivos de entrada e intermediários sofreu sua maior queda nos trimestres prévios, enquanto os modelos mais avançados tiveram dificuldades no último trimestre de 2022.

Em geral, o resultado no final do ano passado contrasta com o mesmo período de 2021, que foi marcado por aumento de demanda e redução nas dificuldades de obtenção de peças.

Para 2023, a expectativa de uma recessão econômica não é animadora para as fabricantes de celulares. Espera-se um mercado estagnado, com marcas cautelosas e foco em uma maior lucratividade — por meio também da redução de custos.

Apple foi a maior do trimestre, Samsung lidera no ano

Marca

Fatia de mercado

Quarto trimestre - 2021

Fatia de mercado

Quarto trimestre - 2022

Apple

23%

25%

Samsung

19%

20%

Xiaomi

13%

11%

OPPO

9%

10%

Vivo Mobile

8%

8%

Outras

28%

26%

Assim como é tradicional, a Apple teve seus melhores resultados do ano durante o último trimestre. Afinal, o lançamento da linha iPhone 14 ajudou a empresa a superar a Samsung neste período.

Com isso, a empresa de Cupertino atingiu uma fatia de mercado de 25%, maior que os 23% registrados no fim de 2021. Por sua vez, a marca coreana registrou 20 e 19%, respectivamente.

O crescimento das duas líderes se deu em detrimento da Xiaomi, entre outras marcas — em especial as chinesas, que vinham em franca ascensão e sofreram com a covid-19 nos últimos meses do ano. Por conta de dificuldades de produção e distribuição na Índia, a empresa viu sua proporção de vendas cair de 13 para 11% entre os períodos de outubro a dezembro dos dois últimos anos.

Marca

Fatia de mercado - 2021

Fatia de mercado - 2022

Samsung

20%

22%

Apple

17%

19%

Xiaomi

14%

13%

OPPO

11%

9%

Vivo Mobile

10%

9%

Outras

28%

28%

Em relação aos dados completos de 2022, a Samsung manteve a sua liderança com 22%. A companhia permanece com a estratégia de explorar diferentes faixas de preço, desde os aparelhos mais básicos até os dobráveis mais avançados.

Já a Apple se destaca entre os dispositivos premium, e atingiu 19% do mercado. Xiaomi, Oppo e Vivo Mobile Communications Co. viram suas participações serem reduzidas em relação ao ano anterior, em cerca de um a dois pontos percentuais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: