Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,42
    +0,14 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.837,10
    +1,00 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    56.376,25
    +245,56 (+0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.513,93
    +1.271,26 (+523,84%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.332,75
    -13,25 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3426
    +0,0024 (+0,04%)
     

Vendas de carros elétricos dobram na Europa em 2020

·3 minuto de leitura
O Volkswagen ID.3 elétrico apresentado em Dresden em setembro de 2020

As vendas de veículos elétricos dobraram e as de automóveis híbridos triplicaram em 2020 na Europa, superando um milhão de carros comercializados, cenário estimulado pelas medidas nacionais para superar a pandemia e limitar a mudança climática.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Um total de 538.772 carros elétricos foram vendidos no ano passado, sobretudo na Alemanha, França e Holanda, assim como 507.059 modelos híbridos plug-in, com uma aceleração no quarto trimestre, de acordo com os números divulgados nesta quinta-feira pela Associação de Montadoras Europeias de Automóveis (ACEA).

Apesar de a crise de saúde ter reduzido em 25% as vendas no mercado europeu, os veículos híbridos e os elétricos superaram pela primeira vez os modelos a diesel na Europa no quarto trimestre, com mais de 900.000 unidades vendidas.

Leia também:

"Após o efeito sem precedentes da covid-19 na venda de veículos, as medidas adotadas pelos governos para estimular a demanda foram direcionadas sobretudo para os veículos de energias alternativas", destaca a ACEA.

Alemanha, Itália e França registraram uma explosão nas vendas de carros elétricos, que também levaram parte da cota de mercado dos modelos a gasolina.

No quarto trimestre, as vendas destes últimos recuaram 33,7%, a 1,2 milhão de unidades (40,6% da cota de mercado) e as vendas de carro a diesel retrocederam 23%, a 731.000 veículos (24,5%).

Os carros elétricos progrediram 216,9%, a 248.000 unidades; os híbridos plug-in 331%, a 227.000 unidades; os híbridos convencionais 104,7%, a 435.000; e as outras energias (etanol, gás natural), sobretudo vendidas na Itália, 19,6%, a 70.000.

Em 2020, os modelos a gasolina representaram 47% das ventas de carros utilitários, seguidos pelos automóveis a diesel (28%), híbridos (11,9%), elétricos e híbridos plug-in (10,5%) e outras energias (2,1%).

As vendas na Europa decolaram graças aos esforços tanto na oferta como na demanda.

Os governos concederam bilhões de euros em subsídios para a compra de veículos mais ecológicos. A Alemanha, por exemplo, concedeu auxílios de até 9.000 euros e a França de até 12.000 euros.

Muitas pessoas precisaram comprar carros novos para continuar entrando nos centros das grandes metrópoles, depois que cidades como Bruxelas, Roma ou Paris proibiram o acesso a seus centros dos veículos mais poluentes ou se preparam para adotar a medida.

As montadoras lançaram novos modelos de veículos híbridos e elétricos, sobretudo para respeitar as normas europeias. As empresas precisam ficar abaixo de 95 gramas de CO2/km ou enfrentarão multas pesadas.

A alemã Volkswagen será uma das grandes vencedoras do mercado elétrico. Seu modelo ID3, lançado em setembro, já é o segundo veículo mais vendido na Europa, segundo a empresa especializada Jato Dynamics.

E poderia superar em 2021 o Zoé da Renault e o Tesla Model 3, que dominaram em 2020 o mercado europeu de carros elétricos.

"A covid acelerou as coisas", destaca Eric Esperance, da consultoria Roland Berger.

O analista afirma que os automóveis híbridos serão "uma solução transitória" até 2030, sobretudo para os usuários que precisam percorrer longas distâncias.

E depois, para ganhar mais clientes, os carros elétricos terão que reduzir os preços e mais pontos de recarga deverão ser disponibilizados.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube