Mercado fechará em 6 h 13 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,44 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,45 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,09
    +0,06 (+0,15%)
     
  • OURO

    1.907,40
    -22,10 (-1,15%)
     
  • BTC-USD

    12.854,87
    +1.797,86 (+16,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    258,73
    +13,84 (+5,65%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,98 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.771,97
    -4,53 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -92,73 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.665,50
    -25,75 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6161
    -0,0339 (-0,51%)
     

Vendas de carne bovina da Argentina à China em 2020 devem manter nível pré-pandemia

Por Maximilian Heath
·2 minutos de leitura

Por Maximilian Heath

BUENOS AIRES (Reuters) - A Argentina deve exportar cerca de 870 mil toneladas de carne bovina para a China este ano, principal destino da renomada carne vermelha do país sul-americano, igualando as exportações do ano passado apesar da pandemia global, disse uma câmara de carnes local na quarta-feira.

A Argentina é um grande fornecedor global de alimentos e a China é um consumidor ávido de sua carne. Cerca de 75% das exportações de carne bovina da Argentina foram destinadas ao mercado chinês no ano passado, segundo dados do governo.

O fluxo de produtos bovinos da Argentina para a China, um importante parceiro comercial, não sofreu uma desaceleração significativa em meio à Covid-19, disse o chefe do consórcio argentino de exportação de carne ABC.

A China, também grande consumidora de soja, foi o principal parceiro comercial da Argentina em julho, disse sua embaixada em Buenos Aires. Durante a pandemia, a Argentina intensificou os laços diplomáticos com a China, que enviou grandes doações de suprimentos médicos ao país, que sofre com uma recessão.

“Nossa meta no início do ano era tentar igualar as 870 mil toneladas de 2019 e acho agora que vamos chegar a esse número”, disse Mario Ravettino, chefe do consórcio de exportação de carnes ABC, que representa os frigoríficos argentinos que produzem para o mercado externo.

Pequim pediu aos importadores na segunda-feira que evitem alimentos congelados de países que sofrem de graves surtos de coronavírus, após vários casos de frutos do mar importados terem testado positivo para o vírus.

A América Latina é atualmente uma das principais fontes de contágio do coronavírus no mundo. A Argentina teve pelo menos 735.000 casos do vírus e 16.500 mortes associadas.

Ravettino, porém, disse não prever que as taxas de infecção da região possam afetar o comércio com a Argentina, já que "todas as garantias (protocolo de saúde) que a China solicitou foram oferecidas e a relação é ótima".

Sete frigoríficos na Argentina concordaram em interromper temporariamente os embarques para a China no mês passado, depois que casos de coronavírus foram detectados entre trabalhadores.