Mercado fechará em 2 h 44 min
  • BOVESPA

    117.835,35
    +637,53 (+0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.467,62
    +621,79 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,26
    +0,50 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.719,90
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    20.068,79
    -152,61 (-0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,79
    -6,34 (-1,37%)
     
  • S&P500

    3.768,70
    -14,58 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    30.118,88
    -154,99 (-0,51%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.609,00
    -14,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0956
    -0,0406 (-0,79%)
     

Venda de veículos novos no Brasil salta em agosto, diz Fenabrave

Fábrica da Fiat em Betim (MG)

SÃO PAULO (Reuters) - As vendas de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus novos no Brasil em agosto cresceram 14,6% ante julho, para 208.493 unidades, segundo dados informados nesta sexta-feira pela associação de concessionárias, Fenabrave. Na comparação com agosto de 2021, houve alta de 20,7%.

No acumulado dos oito primeiros meses do ano, porém, o resultado ainda é negativo frente a igual período do ano passado, com queda de 8% nos licenciamentos, totalizando 1,3 milhão de unidades, informou a entidade.

"Em que pese o fato de termos dois dias úteis a mais em agosto, o resultado aponta uma clara tendência de recuperação dos emplacamentos no Brasil", disse José Andreta Jr., presidente da Fenabrave, em comunicado à imprensa. Segundo ele, a escassez de peças e componentes já não é mais tão limitante para o setor, como no início do ano.

Em agosto, as vendas de carros subiram 14,5% frente a julho, enquanto os emplacamentos de comerciais leves avançaram 16,3%. No acumulado do ano, porém, ainda amargam perdas de 7% e 14%, respectivamente.

As vendas de caminhões tiveram alta de 8,6% na base mensal e registram queda de 1,5% no ano. O executivo afirmou no comunicado que ainda há problemas pontuais de disponibilidade de produtos no segmento, "mas, de maneira geral, a situação é bem mais estável e equilibrada do que a enfrentada no ano passado".

No setor de ônibus, a alta foi de 31,3% no mês --como são menos unidades os percentuais costumam ser mais esticados--, voltando ao patamar positivo no ano, com alta de 2,4%.

(Por Andre Romani; edição Paula Arend Laier)