Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,49
    -0,14 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.784,60
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    56.795,03
    +1.810,92 (+3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.458,75
    +53,44 (+3,80%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.278,69
    +466,06 (+1,62%)
     
  • NASDAQ

    13.513,50
    +22,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4253
    -0,0016 (-0,02%)
     

Venda de veículos novos cai em abril ante março, estoques estão pela metade, diz Fenabrave

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O licenciamento de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus no Brasil em abril caiu 7,54% ante março, para 175.120 unidades, informou a associação de concessionárias, Fenabrave, nesta terça-feira.

Na comparação com abril do ano passado, pouco após a entrada em vigor de medidas de isolamento social no país que forçaram o fechamento de lojas e interrupção na produção de fábricas, os emplacamentos de abril dispararam 214%. Em abril de 2020, as vendas tinham somado 55.706 unidades.

Apesar da queda nas vendas em abril deste ano ante março, os estoques de carros e comerciais leves seguem baixos, informou a entidade. Segundo a Fenabrave, os inventários correspondem a 14 dias de vendas em média, metade do considerado ideal pelo setor.

No quadrimestre, os licenciamentos mostram crescimento de 14,5% em relação ao mesmo período de 2020, a 703 mil veículos. A entidade decidiu não revisar suas projeções uma vez que o resultado de janeiro ao fim de abril está próximo do esperado.

"Acreditamos que se a produção de veículos for regularizada e houver avanço na vacinação, a economia também irá reagir melhor e, com ela, os índices de confiança, empregos, renda e, consequentemente, os resultados do nosso setor", afirmou o presidente da entidade, Alarico Assumpção Júnior, em comunicado.

Na noite da véspera, a maior empresa de aluguel de veículos do Brasil, Localiza, também citou problemas no fornecimento de veículos pelas montadoras em seu balanço trimestral. Na semana passada, a rival Unidas mencionou que as entregas das fábricas devem acelerar a partir do terceiro trimestre.

Ante março, as vendas de carros caíram 10,2%, enquanto as de comerciais leves subiram 3,6%. Os emplacamentos de caminhões recuaram 9% e os de ônibus 6,7%.

A Fenabrave apontou para um salto de 52% nas vendas de motocicletas em abril ante março, para 94,7 mil unidades. "Em abril, houve uma boa regularização na produção, o que permitiu atender à parte da demanda reprimida do segmento, em que pese ainda permaneçam problemas de abastecimento de peças e componentes", afirmou o presidente da entidade.

"Desde o início da pandemia, as motocicletas vêm se consolidando como uma alternativa de transporte individual e de trabalho", acrescentou.

(Por Alberto Alerigi Jr.)