Mercado fechará em 4 h 41 min
  • BOVESPA

    119.680,81
    +34,41 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,85
    -0,46 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.862,20
    -4,30 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    31.885,06
    -1.617,04 (-4,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    634,55
    -66,06 (-9,43%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.746,08
    +5,69 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.330,00
    +35,75 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4191
    +0,0111 (+0,17%)
     

Venda de veículos leves e pesados cai 26,2% em 2020

EDUARDO SODRÉ
·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 04.06.2020 - Agência de veículos de carros LL Veículos, no bairro da Mooca, em São Paulo. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 04.06.2020 - Agência de veículos de carros LL Veículos, no bairro da Mooca, em São Paulo. (Foto: Adriano Vizoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os emplacamentos de veículos leves e pesados registraram queda de 26,2% em 2020 na comparação com 2019, segundo dados do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores). O resultado foi melhor do que o esperado pela Anfavea, associação das montadoras.

Foram licenciados 2,06 milhões de de carros de passeio, comerciais leves, ônibus e caminhões no ano passado. O melhor resultado foi alcançado em dezembro, com 244 mil unidades comercializadas (média diária de 13,1 mil veículos vendidos), uma alta de 8,4% em comparação a novembro.

Em relação a dezembro de 2019, houve queda de 7,1%.

O ano passado começou com expectativa de alta. Em janeiro, a entidade que representa as fabricantes esperava um crescimento de 9,4% nas vendas. ​

Então veio a pandemia de Covid-19 e foi preciso revisar os números. Em julho, a Anfavea projetou uma queda de 40% nos emplacamentos. Com a retomada no segundo semestre, a associação fez um novo cálculo, divulgado em outubro: retração de 31%.

O resultado de 2020 confirma a recuperação da indústria automotiva a partir do segundo semestre, mas o setor inicia 2021 sob pressão.

A Anfavea é uma das entidades mais preocupadas com a vacinação, pois depende disso para retomar a produção em maior escala e atender a demandas dos setores de veículos pesados e de frotas.

No varejo, a chegada de automóveis mais rentáveis e as novas formas de colocar um modelo zero-quilômetro na garagem, como o aluguel de longa prazo, trazem a expectativa de um 2021 melhor para as montadoras. Entretanto, para grande parte dos consumidores, a alta nos preços dos carros novos — forçada principalmente pela desvalorização do real — transforma a compra em um sonho mais distante.

As montadoras esperam ainda a normalização no fornecimento de componentes. O aço continua a ser o maior problema, mas a indústria do pneu, outro gargalo de 2020, afirma que o fornecimento já está sendo normalizado.

O balanço sobre produção e empregos no setor automotivo serão divulgados pela Anfavea na próxima semana, bem como as projeções para este ano.