Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,99
    -0,29 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.708,00
    -7,80 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    50.741,97
    +2.932,33 (+6,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.014,06
    +25,96 (+2,63%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.628,25
    -53,50 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7722
    -0,0899 (-1,31%)
     

Venda de veículos automotores tem queda de 8,16% em janeiro

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

A quantidade de veículos automotores - automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas e implementos rodoviários - vendida no país em janeiro foi de 274.093 unidades, 8,16% a menos do que ao registrado no mesmo mês do ano passado. Em relação a dezembro de 2020, as vendas tiveram retração ainda maior, de 24,52%.

Os dados, divulgados hoje (2) pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), estão baseados em informações do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam).

“Já vínhamos acompanhando as dificuldades que as montadoras, de forma geral, estão enfrentando com relação ao fornecimento de peças e componentes. Esse gargalo se intensificou em janeiro, diminuindo, ainda mais, a oferta de produtos. Outros fatores relevantes impactaram nos resultados, como a segunda onda da pandemia da covid-19”, disse o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.

Em janeiro, as vendas do segmento de automóveis e comerciais leves totalizaram 214.265 unidades, 11,7% inferior ao registrado no mesmo mês do ano passado. Em relação a dezembro de 2020, houve uma queda ainda maior, de 30,1%.

“Historicamente, o mês de janeiro costuma apresentar uma pequena retração nas vendas, já que os gastos das famílias aumentam nesse primeiro mês do ano com matrículas e materiais escolares, IPVA, entre outras despesas”, disse Alarico Assumpção.