Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.893,32
    -1.682,15 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,06
    -0,47 (-1,03%)
     
  • OURO

    1.779,90
    -8,20 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    19.373,86
    -35,16 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,77
    +16,18 (+4,44%)
     
  • S&P500

    3.621,63
    -16,72 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    29.638,64
    -271,73 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    -211,09 (-0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.319,25
    +61,75 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3597
    -0,0149 (-0,23%)
     

Venda de reservas está no cardápio para redução da dívida, mas decisão é do BC, diz Waldery

Por Marcela Ayres
·2 minuto de leitura
.
.

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou nesta sexta-feira que a venda de reservas internacionais é uma ação que entra no cardápio do governo para redução da dívida bruta, mas pontuou que quem decide a respeito é o Banco Central.

Na noite da véspera, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que seria possível vender "um pouco" das reservas ao falar de medidas que poderiam ser tomadas para diminuição da relação dívida/PIB do Brasil.

Questionado a respeito, Waldery defendeu que a fala do ministro "entrou num contexto de uma gestão macroeconômica mais integrada e melhor feita, melhor desenhada".

"Sim, a posteriori, uma vez que o Banco Central decida tomar suas ações, há um impacto positivo, inclusive sobre o montante da dívida bruta", respondeu.

Ele exemplificou que em 2019 a venda de reservas pelo BC contribuiu para diminuir a dívida bruta sobre o PIB em quase 2 pontos. As antecipações de recursos do BNDES ao Tesouro contribuíram com recuo de mais 1,2 ponto, segundo Waldery.

"Então são itens que entram no nosso cardápio de ações", destacou o secretário, após dizer que o governo lançou mão desses mecanismos em 2019 e irá fazê-lo, "dadas as intenções, em 2021".

"Sobre venda de reservas internacionais fala o Banco Central. Sobre ficar atento com o nível de endividamento que se expressa, o Ministério da Economia", acrescentou ele.

As duas medidas ajudaram o governo a fechar o ano passado com dívida bruta de 75,8% do PIB, sobre 76,5% em 2018, apesar do déficit primário registrado no ano. Para 2020, a perspectiva é de que a dívida salte a cerca de 96% do PIB, na esteira dos vultosos gastos para enfrentamento à pandemia de Covid-19.

IMPASSE NO ORÇAMENTO

Durante coletiva de imprensa, Waldery também afirmou que a equipe econômica conta com a constituição da Comissão Mista de Orçamento (CMO) para apreciação neste ano do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021.

Os trabalhos na CMO estão paralisados em meio à disputa política entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o deputado Arthur Lira (PP-AL), líder do chamado centrão, para indicação à presidência do colegiado.

"A Comissão Mista de Orçamento deve ser constituída agora, trabalhamos com essa hipótese. Há incentivos para o Congresso aprovar tanto o PLDO, quanto também caminhar para aprovação do PLOA (projeto da lei orçamentária). Iremos aguardar", afirmou ele.

Waldery avaliou que o Congresso está consciente da necessidade de apreciação dos dois projetos. Ele ressaltou que os textos é que dão previsão legal para a execução das emendas dos parlamentares.

Após o apagão elétrico do Amapá ter atingido famílias no Estado, suscitando discussões acerca da necessidade de auxílio da União, o secretário afirmou que o governo está atento ao caso e que "diversas medidas" estão sendo analisadas, sem especificá-las.

"No momento devido, os ministros associados ao tema, tanto o núcleo político quanto o núcleo econômico, devem se pronunciar", afirmou.