Mercado fechará em 1 h 36 min
  • BOVESPA

    116.369,94
    -94,12 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.069,47
    -984,09 (-2,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,17
    +0,56 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.845,10
    -5,80 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    30.770,86
    -755,60 (-2,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    620,47
    -19,45 (-3,04%)
     
  • S&P500

    3.790,38
    -59,24 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    30.593,16
    -343,88 (-1,11%)
     
  • FTSE

    6.567,37
    -86,64 (-1,30%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.263,25
    -222,25 (-1,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5327
    +0,0219 (+0,34%)
     

Venda de refinarias da Petrobras não descumpre decisão do STF, diz governo

·1 minuto de leitura
Logo da Petrobras

SÃO PAULO (Reuters) - A decisão da Petrobras de vender parte de seus ativos de refino está alinhada à política energética nacional e não vai contra decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre desestatizações, defenderam os ministérios da Economia e de Minas e Energia em nota conjunta nesta segunda-feira.

A manifestação das pastas segue-se a movimento das Mesas da Câmara dos Deputados, do Senado e do Congresso, que na semana passada pediram ao STF liminar para impedir a venda pela Petrobras de duas refinarias, alegando que as operações precisariam de aval legislativo.

Segundo os ministérios, há decisão do STF segundo a qual a exigência de autorização legislativa não se aplica à venda do controle de subsidiárias ou controladas, que inclusive pode ser feita sem licitação, respeitada a exigência de competitividade no processo de desinvestimento.

"Dessa forma, os Ministérios de Minas e Energia e da Economia reforçam a necessidade de se fazer cumprir a decisão prévia do STF e apoiam o processo de transição do segmento de refino para um quadro de maior pluralidade de agentes, mais aberto e dinâmico", afirmaram no comunicado.

(Por Luciano Costa)