Mercado fechará em 3 h 8 min
  • BOVESPA

    113.361,18
    -346,58 (-0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.411,74
    -322,30 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,94
    +1,83 (+2,08%)
     
  • OURO

    1.771,60
    -5,10 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    23.309,13
    -143,61 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,18
    -1,55 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.270,75
    -3,29 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.873,66
    -106,66 (-0,31%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.497,00
    +3,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2503
    -0,0089 (-0,17%)
     

Venda de celular deve ter queda de quase 13% em 2022

Apesar da chegada do 5G ao Brasil, a venda de celulares no país em 2022 seguirá em queda segundo o IDC (Getty Creative)
Apesar da chegada do 5G ao Brasil, a venda de celulares no país em 2022 seguirá em queda segundo o IDC (Getty Creative)
  • Em 2021, o mercado já havia registrado queda de 6,1% nas vendas com relação a 2020

  • No ano passado, o preço médio pago pelos brasileiros em um smartphone foi de R$ 1.845,25

  • Faturamento foi de R$ 66,3 bilhões no ano passado, alta de 9,5%

Estimativas da consultoria IDC apontam que, apesar da chegada do 5G ao Brasil, a venda de celulares no país em 2022 seguirá em queda.

De acordo com o portal Valor Investe, "a consultoria projeta menos de 40 milhões de aparelhos vendidos pelos fabricantes ao varejo brasileiro, o que representa uma queda de mais de 12,7% sobre as 45,8 milhões de unidades vendidas em 2021".

Em 2021, o mercado já havia registrado queda de 6,1% nas vendas com relação a 2020, no entanto, em comparação com o mesmo período, o faturamento foi de R$ 66,3 bilhões no ano passado, alta de 9,5%.

Preços

No ano passado, o preço médio pago pelos brasileiros em um smartphone foi de R$ 1.845,25, um aumento de 19,51% em relação a 2020. Porém, mais da metade dos aparelhos vendidos em 2021 custavam entre R$ 1.000 e R$ 2.000.

“O aumento se dá pelo incremento de capacidade dos produtos, como tela maior, mais memória e capacidade da câmera, e pela pressão de custos globais. A pressão de custos reflete o aumento do valor do frete de importação de componentes e aparelhos da China, os custos mais elevados dos componentes eletroeletrônicos, refletindo a escassez global de semicondutores iniciada com a pandemia da Covid-19, e a depreciação do real frente ao dólar”, disse disse Reinaldo Sakis, gerente de pesquisas da IDC Brasil, ao Valor.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos