Mercado fechará em 5 mins
  • BOVESPA

    100.916,62
    +376,79 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.777,19
    +575,38 (+1,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,09
    -1,61 (-3,86%)
     
  • OURO

    1.928,10
    +12,70 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    12.761,67
    +1.704,66 (+15,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,85
    +10,96 (+4,48%)
     
  • S&P500

    3.455,13
    +12,01 (+0,35%)
     
  • DOW JONES

    28.338,56
    +29,77 (+0,11%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.737,50
    +76,75 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6533
    +0,0269 (+0,41%)
     

Venda da Liquigás pela Petrobras deve ser condicionada a acordo, recomenda Cade

Por Luciano Costa
·2 minutos de leitura
.
.

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A conclusão da operação pela qual a Petrobras <PETR4.SA> negociou a venda de sua unidade de distribuição de gás liquefeito de petróleo Liquigás para um grupo formado por Copagaz, Itaúsa e outras empresas dependerá de um acordo com o órgão brasileiro de defesa da concorrência.

Em publicação no Diário Oficial da União desta quarta-feira, a Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) apontou que decidiu pela "impugnação ao Tribunal" do caso, "com recomendação de aprovação condicionada à celebração de Acordo em Controle de Concentrações (ACC)".

A Petrobras assinou em novembro do ano passado contrato para vender 100% da Liquigás por 3,7 bilhões de reais a um grupo de empresas que inclui também a Nacional Gás Butano e a Fogás.

Em parecer sobre a transação, o Cade apontou que o setor de gás natural liquefeito (GLP) tem "baixos níveis de rivalidade" e elevadas barreiras à entrada de novos competidores, assim como grande possibilidade de coordenação entre agentes de mercado, o que já foi alvo de uma série de investigações e condenações do órgão.

"Dado o contexto do mercado e a proposta inicial das requerentes, a operação suscita preocupações de poder de mercado", concluiu o Cade, ao avaliar que o negócio "reforçaria o oligopólio entre as quatro grandes do setor".

As empresas envolvidas na operação, no entanto, apresentaram uma nova proposta de acordo para endereçar as preocupações concorrenciais, segundo o parecer.

"A proposta de ACC apresentada pelas requerentes, em tese, é suficiente para mitigar os problemas concorrenciais decorrentes da operação", sinalizou a superintendência do Cade.

Segundo esse parecer, o acordo negociado "endereça as preocupações concorrenciais apontadas" e "fortalece um novo player nas regiões Sudeste e Centro-Oeste".

A Petrobras já havia visto uma tentativa de vender a Liquigás barrada pelo Cade em fevereiro de 2018, o que impossibilitou um negócio já selado com a Ultragaz pelo ativo. A companhia retomou o processo para desestatização da unidade no início do ano passado.

A Liquigás tem cerca de 21,4% de participação de mercado, com presença em quase todos os Estados brasileiros e 23 centros operativos, além de 19 depósitos e uma rede de aproximadamente 4.800 revendedores autorizados.