Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.850,60
    +3,00 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    28.811,85
    -113,89 (-0,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

Venda da CCR pela Andrade depende da reestruturação de eurobônus

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O plano da construtora brasileira Andrade Gutierrez de vender sua participação na operadora de rodovias CCR depende de um acordo com detentores de títulos sobre a reestruturação da dívida externa, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

Na nova proposta feita pela empresa, os detentores de eurobônus ficariam com R$ 820 milhões do dinheiro recebido com a venda da CCR, e não R$ 1,6 bilhão como proposto anteriormente, disseram as pessoas. A dívida remanescente desses credores externos seria trocada por um novo título, segundo as pessoas.

Em 24 de março, a Andrade Gutierrez recebeu uma oferta não-vinculante para vender 14,86% da CCR para Itaúsa e Votorantim por R$ 13,75 por ação, no total de cerca de R$ 4,1 bilhões, segundo um documento regulatório. Isso é menos do que uma proposta anterior da IG4 Transport LP com a Macquarie Asset Management, de R$ 15,44 por ação, que totalizaria R$ 5 bilhões e que não foi aprovada pelos acionistas. Agora a empresa receberá menos com a venda de participação, assim como os detentores de títulos, disseram as pessoas.

A Andrade Gutierrez agora planeja usar R$ 400 milhões, ante R$ 150 milhões de reais em um plano discutido anteriormente. As 300,1 milhões de ações da CCR, que administra rodovias e aeroportos no Brasil, foram dadas como garantia a bancos locais e detentores de títulos internacionais e locais, disseram pessoas anteriormente. Os credores locais, que estão sobrecolateralizados e possuem 191 milhões dessas ações em garantia, receberiam R$ 2 bilhões da venda, disseram as pessoas. Os credores locais já aceitaram a proposta.

A Andrade Gutierrez não quis comentar.

Os detentores de títulos de dívida externa estão sendo aconselhados pelo Lazard e a empresa, pela Moelis, disseram pessoas anteriormente.

A dívida da construtora inclui US$ 480 milhões em títulos internacionais inadimplentes e R$ 1,975 bilhão em títulos locais, dos quais cerca de R$ 1,6 bilhão vendidos aos bancos locais Banco do Brasil e Banco Bradesco. Os títulos da dívida externa da Andrade Gutierrez estão sendo negociados a 62 centavos de dólar.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos