Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.323,17
    -168,10 (-0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Venda de cimento tem leve alta em junho, diz Snic

·1 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A comercialização de cimento no Brasil teve ligeiro incremento de 1,5% em junho sobre o mesmo período de 2020, ficando praticamente estável ante maio, a 5,44 milhões de toneladas, informou a associação que reúne fabricantes do produto, Snic, nesta quarta-feira.

Com isso, a venda no acumulado do primeiro semestre somou 31,27 milhões de toneladas, alta de 15,4% sobre a primeira metade do ano passado.

Segundo a entidade, deve haver um arrefecimento nas vendas no próximos meses por causa da fraca base de comparação com o primeiro semestre do ano passado.

A expectativa do setor é que as vendas de cimento em 2021 cresçam 6%. Boa parte desse desempenho deve ser creditado aos segmentos de autoconstrução e reformas e continuidade de obras do setor imobiliário, que respondem atualmente por parcela de 80% do consumo do produto no país.

O impacto de concessões de infraestrutura realizados neste ano devem ser sentidos no consumo de cimento apenas em 2022, afirmou a entidade.

Em junho, as regiões que registraram crescimento de vendas de cimento na comparação anual foram Norte (6,7%), Centro-Oeste (3,3%) e Sul (11,4%), segundo os dados do Snic. Nordeste e Sudeste, principais regiões consumidoras, tiveram quedas de 2,8% e 0,8% nas vendas, respectivamente.

(Por Alberto Alerigi Jr.)