Mercado abrirá em 1 h 45 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,12
    -1,27 (-3,40%)
     
  • OURO

    1.877,20
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    13.159,24
    -4,15 (-0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,33
    -12,36 (-4,53%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.601,82
    +19,02 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.245,50
    +112,75 (+1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7211
    -0,0133 (-0,20%)
     

Venda de cimento no Brasil dispara em setembro sobre um ano antes, diz Snic

·1 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - A venda de cimento no Brasil em setembro saltou 21,1% sobre mesmo mês de 2019, a 5,76 milhões de toneladas, com impulso dos segmentos de construção residencial e pequenas reformas, segundo dados da entidade que representa os fabricantes do insumo, Snic, divulgados nesta quarta-feira.

Sobre agosto, as vendas tiveram ligeiro incremento de 0,3%. No acumulando no ano até setembro, o crescimento foi de 9,2%, a 44,45 milhões de toneladas.

"Os resultados são surpreendentes até agora, mas ainda não dão segurança a longo prazo. As vendas estão sendo sustentadas, em sua grande maioria, pelas construções imobiliárias", disse o presidente do Snic, Paulo Camillo Penna, citando a atividade de reformas em imóveis residenciais e comerciais, em comunicado.

"É fundamental que os investimentos em saneamento e a retomada das obras de infraestrutura, atividades de extrema importância para a indústria do cimento, saiam do papel e integrem de vez a esperada agenda de crescimento do país", acrescentou.

Em setembro, todas as regiões do país tiveram crescimento de vendas sobre um ano antes, com destaque para alta de 32% da região Norte e de 30% no Nordeste. O Sudeste mostrou incremento de 17%, enquanto Centro-Oeste teve avanço de 27%. As vendas no Sul subiram cerca de 15% no período.

Segundo o Snic, além de fraqueza na área de infraestrutura, o setor segue preocupado com a ausência de lançamentos imobiliários que se efetivem em obras e com o comportamento da chamada autoconstrução, "principalmente por conta da tendência crescente dos índices de desemprego da economia e o esgotamento dos recursos pessoais destinados as reformas".

(Por Alberto Alerigi Jr.)