Mercado abrirá em 4 mins
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,92
    -0,39 (-0,73%)
     
  • OURO

    1.870,90
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    32.556,57
    -945,53 (-2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,39
    -52,23 (-7,45%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.747,93
    +7,54 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.342,00
    +47,75 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4219
    +0,0139 (+0,22%)
     

Venda de celulares na China diminuiu 15% no 2º trimestre em comparação com 2019

Felipe Junqueira
·2 minuto de leitura

A economia mundial deve sofrer um grande impacto por conta da pandemia causada pelo novo coronavírus, e com o mercado de smartphones não vai ser diferente. Falando especificamente sobre o mercado chinês, o maior de todo o planeta, o segundo trimestre de 2020 deve apresentar uma queda de mais de 15% em relação ao mesmo período do ano passado.

A conclusão é de um relatório do DigiTimes, que prevê um bom crescimento na comparação com os primeiros três meses de 2020, mas ainda insuficiente para apresentar crescimento na comparação ano a ano. Segundo o relatório, as quatro maiores empresas, Huawei, Oppo, vivo e Xiaomi, responderam por nada menos que 82,3% do mercado doméstico no segundo trimestre do ano.

Falando globalmente, as fabricantes chinesas aumentaram em 43,3% os embarques de celulares entre abril e julho na comparação com o período de janeiro a março, totalizando 157 milhões de unidades. Mas, em relação ao mesmo período de 2019, a queda chegaria a 15,2%. O crescimento na comparação com o trimestre imediatamente anterior se deu mais pela quase paralisação nos três primeiros meses do ano.

Xiaomi: a mair redução

A Xiaomi teve a maior redução, com 27,1% de queda. OPPO e vivo também venderam menos smartphones nesses últimos três meses. Mas a Huawei viu um movimento inverso, e conseguiu aumentar o volume de vendas no período, sempre na comparação ano a ano.

Curiosamente, enquanto enfrenta embargo cada vez mais forte dos EUA, a fabricante chinesa conseguiu embarcar 2,1% a mais de celulares entre abril e julho deste ano, comparado aos mesmos meses de 2019. Segundo a Canalys, a companhia fechou o trimestre à frente da Samsung no ranking global de vendas de smartphones.

Para a segunda metade de 2020, as fabricantes esperam que a chegada de smartphones 5G mais baratos e uma adaptação melhor do mercado e sociedade ao mundo pós-COVID-19 sejam suficientes para reaquecer a indústria de celulares.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: