Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +3,40 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    29.020,26
    +291,66 (+1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

Venda atacadista para o Dia das Mães despenca na 25 de Março

*ARQUIVO* Sao Paulo, SP, BRASIL, 10-06-2020:  Reabertura gradual do comercio em Sao Paulo. As 11h com clientes aguardando na porta, funcionario abre loja de tecidos Sao Jorge na rua 25 de marco   no primeiro dia de reabertura gradual do comercio (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
*ARQUIVO* Sao Paulo, SP, BRASIL, 10-06-2020: Reabertura gradual do comercio em Sao Paulo. As 11h com clientes aguardando na porta, funcionario abre loja de tecidos Sao Jorge na rua 25 de marco no primeiro dia de reabertura gradual do comercio (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois das restrições da pandemia, agora os lojistas da região da 25 de Março, no centro de São Paulo, sentem os reflexos da inflação e da queda na renda dos brasileiros, principalmente na venda em grande quantidade, feita no atacado.

O movimento para o Dia das Mães, que costuma aumentar na metade de abril, ainda está fraco, segundo Claudia Urias, diretora-executiva da Univinco (União dos Lojistas da Rua 25 de Março e Adjacências).

"No fim do ano, a gente sentiu que, pelo menos, as restrições iriam melhorar, mas veio a instabilidade econômica. Tem muita gente sem dinheiro e está tudo muito caro. Hoje, as pessoas pensam em colocar comida na mesa em vez de comprar alguma outra coisa", diz Urias.

Segundo ela, a região, que normalmente recebe de 800 mil a 1 milhão de consumidores na data, tem registrado 100 mil neste ano. A aposta é nas compras de última hora, após o quinto dia útil do mês, mas as sacolas devem carregar apenas lembrancinhas.

A principal impactada é a venda no atacado, segundo Urias. "Nós somos uma região atacadista. Tem o varejo, que é forte, mas somos atacadistas. Cerca de 60% do público vem de fora, vem abastecer para vender. Esse público não está vindo mais, caiu muito", diz.

Apesar do cenário, ela afirma que os lojistas não devem registrar perdas na data, que é a terceira mais importante para a região, só atrás do Natal e do Dia das Crianças.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos