Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    105,84
    +0,08 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.806,40
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    18.890,51
    -1.323,99 (-6,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,82
    -26,65 (-6,18%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.499,00
    -30,50 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5056
    +0,0950 (+1,76%)
     

Velozes e Furiosos | Conheça a história real que inspirou os filmes

Você pode não ter reparado, mas a franquia Velozes e Furiososcompletou 20 anos e traz, em seu porta malas, alguns feitos. A saga de Dominic Toretto e seus carrões arrecadou bilhões de dólares em bilheteria, impulsionou carreiras inteiras e alimentou todo um imaginário sobre corridas de rua. E o que pouca gente sabe é que tudo isso começou a partir de uma história real.

É realmente difícil imaginar como a trama dos ladrões de DVD que passam a salvar o mundo como super-heróis em grandes carros pode ter um pé na realidade, já que o exagero é sua marca registrada. Contudo, uma franquia tão (divertidamente) mentirosa nasce de um relato jornalístico.

É até difícil lembrar que Velozes e Furiosos já foi uma série mais pé no chão (Imagem: Divulgação/Universal Studios)
É até difícil lembrar que Velozes e Furiosos já foi uma série mais pé no chão (Imagem: Divulgação/Universal Studios)

A grande inspiração para Velozes e Furiosos é o artigo Racer X (Corredor X, em uma tradução livre), publicado em 1998 pela revista estadunidense Vibe. A matéria é assinada pelo jornalista Kenneth Li, que fez um mergulho no mundo das corridas ilegais que tomavam as ruas de Nova York no final daquela década e que mostra não só a dinâmica das disputas, mas também o estilo de vida de seus participantes.

E, o mais importante: foi ali que o mundo conheceu o Toretto da vida real.

O homem por trás da lenda

O artigo é centrado em toda essa cultura marginal, mas encontra em Rafael Estevez o personagem que ilustra bem todo esse estilo de vida que ele encontrou nas ruas. Trata-se de um dos pilotos que participava dessas disputas, sendo um dos grandes nomes desse cenário ilegal. Ele era o homem a ser batido e que, mesmo assim, tinha o respeito de todos os demais pilotos. Era basicamente aquilo que vimos no cinema na forma de Vin Diesel.

Em 2005, Kenneth Li e Rafael Estevez se reencontraram para falar sobre o que mudou após publicação da matéria (Imagem: Reprodução/Vibe)
Em 2005, Kenneth Li e Rafael Estevez se reencontraram para falar sobre o que mudou após publicação da matéria (Imagem: Reprodução/Vibe)

As semelhanças vão muito além desse conceito da lenda do asfalto. Na verdade, todo o estilo de vida e a própria filosofia deste dominicano de 30 anos serviu de base para a construção do Toretto de Velozes e Furiosos. Toda a sua paixão por carros, sua habilidade e dedicação no tuning e a própria visão das corridas como uma guerra é algo que foi transportado quase que integralmente para as telas. Isso sem falar dos neons, do óxido nitroso e de toda a estética das corridas de rua.

Além disso, outros elementos do artigo inspiraram o personagem. Sua história como o rapaz de origem estrangeira que abandona a escola para viver em oficinas mexendo e aprendendo mais sobre carros ajudou a construir a persona de Toretto, assim como essa mistura de rival e líder admirado.

Tanto que a matéria da Vibe traz várias entrevistas com outros pilotos da época e muito do tom que eles utilizam para se referir a Estevez e ao estilo de vida que ele adotava foi aproveitado para criar a dinâmica de família que acompanha Velozes e Furiosos ao longo desses mais de 20 anos.

Ao mesmo tempo, é interessante notar como o filme de 2001 trata Toretto como o vilão da história. Ele é o criminoso mergulhado nesse mundo de corridas clandestinas que o personagem de Paul Walker — um policial infiltrado — tem que capturar. E isso, de certo modo, também tem um pé na realidade.

Em sua matéria, Kenneth Li não faz nenhuma menção a supostas atividades criminosas de Estevez, mas destaca esse antagonismo que o piloto tinha com a polícia. Em determinado ponto da entrevista, o corredor diz que se apaixonou por carros assistindo à série Os Gatões, em que os heróis sempre davam um jeito de escapar usando seu Dodge Charger.

Mais do que isso, na época em que o artigo foi publicado, a polícia de Nova York tinha iniciado uma operação para impedir as corridas e realmente passou usar veículos à paisana para encurralar os pilotos — e, mesmo assim, Estevez e seus companheiros davam um jeito de escapar. Isso sem falar, é claro, do fato de que ele estava ganhando muito dinheiro com apostas.

Toda a estética e charme dos anos 90 foram representados no filme (Imagem: Divulgação/Universal Studios)
Toda a estética e charme dos anos 90 foram representados no filme (Imagem: Divulgação/Universal Studios)

E o próprio diretor do primeiro Velozes e Furiosos, Rob Cohen, cita o artigo da Vibe como inspiração para o que foi apresentado no longa. Mais do que isso, na época da produção do filme, Vin Diesel e Paul Walker seguiram os passos de Kenneth Li e frequentaram alguns desses eventos para entender como era a dinâmica das disputas.

Com o tempo, porém, a franquia seguiu por rumos mais ousados. O texto Racer X ajudou a construir Toretto e todo o mundo dos rachas, mas o cinema logo viu que era preciso ir além e extrapolar alguns limites para manter a série interessante. É a boa e velha licença poética de Hollywood. Contudo, enquanto os carros vão ao espaço para salvar o mundo, permanece a lembrança de que há um Dominic Toretto de verdade correndo por aí.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos